Idosa morre à espera de UTI em Caxias: 'Tentam um procedimento no qual eles não são capacitados e levam pessoas ao óbito'

Flávio Trindade
·3 minuto de leitura

A dor de perder parentes à espera de transferência para leitos de UTI vai se tornando uma triste rotina na Baixada Fluminense. Na manhã desta segunda foi a família da dona de casa Eunice Telles, de 68 anos, que recebeu a notícia do seu morte na UPA Beira-Mar, em Duque de Caxias. Caso semelhante ao de Ricardo Nascimento de Oliveira, que morreu na quinta-feira passada a espera de transferência na UPA de Queimados.

Filho da vitima, Eduardo Telles afirmou que a mãe peregrinou por duas unidades, antes de ser internada no sábado na UPA Beira-Mar, onde chegou andando normalmente. No fim de semana, os filhos foram impedidos de visitá-la e na manhã desta segunda receberam a notícia da morte. Eduardo afirma que os medicos não conseguiram entubá-la por falta de medicamentos.

- Minha mãe não merecia isso. Passamos por duas UPAs antes, a do Lote VX e em Irajá. Ela chegou aqui boa, subiu essas escadas por conta própria. Aí hoje cedo dizem pra gente que ela morreu. Minha mãe estava bem. Não pediram autorização para entubá-la, tentaram um procedimento que eles não são capacitados, levando as pessoas a óbito. Agora minha mãe é mais uma a morrer assim. Esse presidente maldito, safado. Cão do inferno que não libera as vacinas - desabafou Eduardo, transtornado com a notícia.

Também filha de Dona Eunice, a dona de casa Adriana Telles chorava com uma foto da mãe no celular. Ela fez um alerta para que as pessoas não tragam seus parentes para a UPA Beira-Mar.

- Minha mãezinha era uma pessoa tão linda. Não sei como eu vou viver sem ela. É preciso denunciar isso. Digam para as pessoas não trazerem seus familiares aqui. Quem vem aqui e pra morrer. Eles não tem remédios, não tem equipamento. Estão assassinando as pessoas e minha mãezinha foi mais uma.

Na semana passada, a reportagem do EXTRA já havia flagrado problemas na UPA Beira-Mar. Pacientes com diagnóstico positivo para a covid era colocados para aguardar consulta com o restante do publico, aglomerados e sem distanciamento social. Um paciente chamou o lugar do 'covidródomo'.

Em esclarecimento, a Secretaria Municipal de Saúde e Defesa e Civil, através da direção da UPA Beira Mar, afirma que não procede a informação de que a paciente Eunice Teles de Souza, moradora de Vista Alegre (RJ), deixou de ser intubada por falta de remédios ou equipamentos na unidade e ressalta que, apesar da grande demanda de pacientes suspeitos e confirmados de Covid-19, não há falta desses materiais na unidade.

A direção da UPA Beira Mar reforça ainda que a paciente chegou a unidade, em 27/03/2021, com estado de saúde grave, sendo imediatamente regulada junto ao SER – Sistema Estadual de Regulação – e estava no aguardo de uma vaga em hospital do SER. Enquanto aguardava a liberação da vaga e transferência, a paciente recebeu todos os cuidados e esforços por parte da equipe médica da UPA Beira Mar para preservar a sua vida.