Segundo policial militar morre com suspeita de febre maculosa após participar de curso da corporação

·1 min de leitura

RIO - O cabo Mario César Coutinho de Amaral morreu, neste domingo, com suspeita de febre maculosa, doença transmitida por picada de carrapato, após participar do Curso de Operações de Polícia de Choque (COPC) no Rio de Janeiro. Na última sexta-feira, o sargento Carlos Eduardo da Silva também morreu com suspeita da doença. 

Mario César estava na corporação há nove anos e no Batalhão de Polícia de Choque (BPChq) há quatro, onde era instrutor. Em nota, a Polícia Militar lamentou a morte do agente e informou que "a causa da morte ainda está sendo apurada" e que "ainda não há informações sobre o sepultamento". 

Segundo relatos, a transmissão da doença aconteceu durante uma "etapa de mata" da instrução, mais longa durante o COPC.

Em nota neste sábado, a Secretaria de Polícia Militar informou da possibilidade de os PMs que participaram do curso terem sido infectados com febre maculosa.

A corporação afirmou que "exames complementares seriam realizados pelo hospital da Fundação Oswaldo Cruz (no corpo do PM) , onde o militar estava internado quando faleceu".

Disse ainda que outros policiais que participavam do curso "estavam sendo acompanhados pelo ambulatório de febre" da fundação. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos