Segundo porta-aviões da China entra em operação

(Arquivo) O comissionamento do navio, chamado Shandong, coloca a China em um pequeno clube de nações com vários porta-aviões

O segundo porta-aviões da China, o primeiro de fabricação própria, entrou em operação nesta terça-feira ao ser entregue à Marinha, anunciou o canal estatal CCTV, em um contexto de rivalidade com os Estados Unidos na região do Pacífico.

A integração oficial às Forças Armadas chinesas do navio, batizado de "Shandong", aconteceu em uma cerimônia em uma base naval da ilha de Hainan (sul), na presença do presidente chinês Xi Jinping.

A cerimônia aconteceu na presença de 5.000 integrantes da Marinha e operários, que cantaram o hino nacional durante o hasteamento da bandeira chinesa.

O país possuía até agora apenas um porta-aviões operacional, o "Liaoning", construído pela ex-URSS e comprado da Ucrânia, que entrou em serviço em 2012.

Este segundo porta-aviões, que era conhecido apenas como "Type-001A" e que foi fretado em 2017, funciona a propulsão clássica (e não nuclear) e pode embarcar quase 40 aviões.

O exército chinês prossegue com o aumento de sua força militar. O país é considerado a segunda potência militar mundial, atrás apenas dos Estados Unidos.

O início das operações do porta-aviões acontece em um momento em que Pequim reivindica com mais veemência suas pretensões territoriais no Mar da China meridional.