Segundo turno na Colômbia opõe duas vices negras em meio a debate sobre racismo

BOGOTÁ, COLÔMBIA (FOLHAPRESS) - O embate pela Presidência da Colômbia, que terá o segundo turno realizado no próximo dia 19, se dará entre dois homens brancos. A disputa entre Gustavo Petro e Rodolfo Hernández, que opõe um esquerdista e um populista de plataforma incerta, deixou de fora partidos e atores tradicionais da política local, além de trazer outra novidade: ambos os candidatos têm como vice uma mulher negra.

A companheira de chapa de Petro, que ficou à frente na primeira volta, no domingo (29), é Francia Márquez, uma advogada e ativista ambiental de 40 anos. Com a surpresa Hernández, por sua vez, está Marelen Castillo Torres, 53, pedagoga e estreante na política. Seus caminhos e estilos são distintos, mas a presença delas na campanha coincide por uma série de razões.

Uma delas é o acordo de paz com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), que permitiu que entrassem na política setores da sociedade antes relegados, especialmente por viverem em áreas de conflito.

A Colômbia tem uma grande população de deslocados internos, que tiveram que sair de casa por causa de embates entre Exército, guerrilhas e paramilitares nas últimas décadas. São cerca de 7 milhões de "desplazados", dos quais 25% são negros. O tratado de paz permitiu a implementação de políticas de auxílio a essa população, ainda que o atual presidente, Iván Duque, não fosse favorável ao texto.

Desde as eleições para o Congresso de 2018, a participação de indígenas e negros na política colombiana cresceu. Esse movimento também reflete um ciclo de protestos recentes, dos quais essas minorias foram protagonistas --principalmente em regiões em que o perfil racial da população é mais diverso, como no departamento de Vale do Cauca, cuja capital é Cali.

Junto às manifestações, outros eventos jogaram luz sobre a questão, notadamente a morte de Anderson Arboleda, 19, em Puerto Tejada, durante uma ação das forças de segurança. O jovem, abordado por violar regras de quarentena, virou símbolo da violência policial contra os negros.

Em meio à discussão incipiente, o racismo permanece. A Colômbia tem 50,1 milhões de habitantes e é predominantemente mestiça. Segundo o censo de 2018, 10% têm origem afro, e esse grupo compõe a maior parte dos que vivem abaixo da linha da pobreza, em especial em departamentos menos desenvolvidos, como Guajira e Chocó. Nesses locais, a pobreza supera os 60% da população --a média do país é de 33%.

O país, até hoje, foi em geral governado apenas por uma pequena elite, e é nesse contexto que Petro e Hernández apostam nas figuras de suas vices.

O ainda favorito esquerdista, porém, foi de certa forma forçado a aceitar Márquez na chapa. Ele tinha outro vice em mente, mas a ativista teve excelente desempenho nas primárias da coalizão Pacto Histórico, que levaram à construção de um acordo depois de desgastes na aliança. Nas últimas semanas, o distanciamento ficou visível, com os dois realizando atos de modo separado.

Mãe solo aos 16 anos, Márquez nasceu em Suárez, no Vale do Cauca, e ficou conhecida por sua luta contra a mineração ilegal. Muito popular entre os jovens que foram às ruas em 2019 e 2021 nos protestos contra o governo Duque, ela chegou a sofrer ataques e ameaças durante a campanha.

Oradora experiente, ela tem um perfil que contrasta com a vice do populista Hernández, que iniciou a disputa como azarão e agora mostra que pode desbancar Petro. Marelen Castillo Torres é uma estreante na política, que até aqui atuava no ambiente universitário.

Nascida em Cali, ela estudou biologia na Universidade Santiago de Cali e depois passou a lecionar nessa área. Foi contatada por Hernández porque um familiar mandou seu currículo para o engenheiro, que gostou de seu perfil e a telefonou fazendo o convite. "Minha vida mudou de repente, nunca havia pensado em entrar para a política", afirmou a um meio local. "Estou feliz porque este é um momento trascendental para a Colômbia, e nossa chapa está oferecendo uma transformação."

Caso a dupla seja eleita, a ideia é que a vice se dedique a desenhar a área de educação --o plano de campanha é incerto em muitos temas. De perfil mais tímido e discreto, na campanha Castillo realizou mais reuniões em auditórios com acadêmicos, estudantes e empresários.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos