Segundo turno em Porto Alegre: Reta final da campanha tem falsa pesquisa Datafolha divulgada

·3 minuto de leitura
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Uma pesquisa falsa do Datafolha sobre as eleições para a Prefeitura de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, foi divulgada na noite deste sábado (28). O conteúdo falso chegou a ser publicado no site da Band.

De fora inverídica, uma suposta pesquisa do instituto traz o candidato Sebastião Melo (MDB) com 54% dos votos à frente de Manuela D'Ávila (PC do B), que teria 46%.

Leia também

Momentos depois, o próprio órgão veio desmentir a existência da pesquisa. “O Datafolha não fez pesquisas eleitorais em Porto Alegre em 2020”, afirma Alessandro Janoni, diretor de Pesquisas do instituto, de acordo com a Folha de S. Paulo.

A pesquisa que existiu, devidamente regularizada e registrada, foi divulgada pelo Ibope também neste sábado (28). Nela, a candidata Manuela D’Ávila aparece com 51% dos votos válidos na disputa e Sebastião Melo com 49%. Na contagem dos votos válidos, estão excluídos brancos, nulos e indecisos.

Eleições em Porto Alegre

Os cerca de um milhão de porto-alegrenses aptos para votar vão às urnas no segundo turno para escolher entre o ex-vice-prefeito Sebastião Melo (MDB) e Manuela D’Ávila (PC do B).

Melo vinha atrás nas pesquisas, mas fechou a votação na primeira colocação com 31,01% dos votos. Derrotado em 2016 pelo atual prefeito Nelson Marchezan Jr (PSDB), ele foi vice na gestão entre 2012 e 2016.

Manuela ficou nacionalmente conhecida ao ser vice-candidata na chapa que concorreu à presidência da República em 2018, encabeçada por Fernando Haddad (PT). Entre 2013 e 2017, foi deputada federal pelo Rio Grande do Sul.

Entenda o segundo turno

Para assumir a prefeitura no 1º turno, o candidato precisaria obter maioria absoluta - 50% mais um - dos votos válidos. Votos brancos e nulos não entram nessa conta.

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) esclarece que essa condição da existência do 2º turno é válida somente às cidades com mais de 200 mil eleitores.

Essa regra está prevista nos artigos 28 e 29 da Constituição de 1988, determinando, além do limite mínimo de habitantes, que o “segundo turno poderá ocorrer apenas nas eleições para presidente e vice-presidente da República, governadores e vice-governadores dos estados e do Distrito Federal, e para prefeitos e vice-prefeitos.”

Nas eleições de 2016 havia 92 municípios com mais de 200 mil eleitores. Já em 2020, outras três cidades alcançaram o número de habitantes mínimo. São elas: Ribeirão das Neves (MG), Paulista (PE) e Petrolina (PE). Sendo assim, nas eleições 2020, 95 municípios poderão ter um segundo turno para prefeito e vice-prefeito.

Eleições municipais em todo país

As Eleições 2020 moveram praticamente todo país neste domingo. Por conta do coronavírus, essa foi uma eleição diferente, com horários estendidos e mais critérios de segurança sanitária.

Uma questão que levanta muitas dúvidas ao longo processo é o famoso coeficiente eleitoral. Bem resumidamente, é a divisão do número de eleitores pelo número de vagas (nós explicamos com detalhes AQUI). Cada cidade, então, tem seu coeficiente eleitoral.

Caso não esteja presente na cidade onde você está apto para votar, é possível justificar seu voto. Para saber como, siga nosso guia clicando AQUI.

O que faz um prefeito?

O Estado se divide em três poderes o Executivo, Legislativo e Judiciário, e o prefeito é o chefe do Poder Executivo. Ou seja, é responsabilidade do prefeito administrar a cidade que exerce suas funções. Para mais detalhes da função CLIQUE AQUI e para saber quanto ganha um prefeito, CLIQUE AQUI.