Segundo turno de São Paulo pode criar problema para esquerda no Rio

·1 minuto de leitura
Foto: Peter Leone/Ofotografico / Agência O Globo
Foto: Peter Leone/Ofotografico / Agência O Globo

Como revelou Analítico do Globo, o segundo turno em São Paulo apontado pela boca de urna do Ibope expõe um problema que a esquerda terá de enfrentar no Rio de Janeiro: deixa claro que um candidato de consenso teria tirado Marcelo Crivella da etapa final da disputa na capital fluminense.

Guilherme Boulos (PSOL) alcançou os 25%, atrás do prefeito Bruno Covas, com 33%, numa subida notável, segundo o Ibope. A aliança formal com o PT não veio, mas na prática, o líder sem-teto, depois de já ter aparecido nas eleições presidenciais de 2018 e sido elogiado por Lula no dia em que o ex-presidente foi preso, entre outros movimentos de repercussão, fortaleceu sua imagem. E capturou os votos que tradicionalmente seriam para o PT, de eleitores que não se entusiasmaram com Jilmar Tatto, um nome excessivamente local.

No Rio, um nome forte poderia aparar arestas. Mas o deputado Marcelo Freixo, a opção mais óbvia, declinou da candidatura. Martha Rocha (PDT) e Benedita da Silva (PT) somadas, pela boca de urna do Ibope, obtiveram o mesmo percentual, embora tenham eleitorado inteiramente diferente. Jair Bolsonaro perdeu espaço em São Paulo, com o encolhimento de Celso Russomanno, mas agiu a tempo no Rio e deve garantir seu pupilo na segunda fase da disputa.

A esquerda perdeu o bonde. Agora, Freixo pode vir a ser cobrado por não ter conseguido costurar essa aliança, e se responder que o maior obstáculo não foi ele, a esquerda terá um novo debate interno para travar.