Segundo turno termina com 139 pessoas presas e R$ 161 mil apreendidos em todo o país, diz PF

Entre sexta-feira (dia 28) e este domingo (dia 30) de segundo turno das eleições, 139 pessoas foram presas e R$ 161,2 mil em bens e valores foram apreendidos pela Polícia Federal na segunda fase da Operação Eleições 2022, de prevenção e repressão a crimes eleitorais.

Além da PF, participam da força-tarefa representantes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Polícias Civis, Militares, Rodoviária Federal, Corpos de Bombeiro Militares, Ministério da Defesa, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Secretarias de Segurança Pública e Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil.

No período, nove inquéritos foram instaurados para apurar crimes eleitorais, além de 93 termos circustanciados de ocorrência. Segundo a PF, foram registrados 43 casos de violação do sigilo do voto, 19 de desobediência a ordens da Justiça Eleitoral, 17 de boca de urna e 16 de promoção de desordem que prejudicasse a votação.

O número de casos é inferior aos registros do primeiro turno. No dia 2 de outubro, quando além da votação para governador e presidente também foram escolhidos senadores e deputados estaduais, federais e distritais, 241 ocorrências foram registradas: 50 por propaganda eleitoral, 44 por boca de urna, 30 por compra de voto, 26 por violação de sigilo de voto. Outras 91 ocorrências foram por outras situações não detalhadas.

Além disso, R$ 857 mil em bens e valores foram apreendidos, 255 pessoas foram conduzidas e 86 inquéritos foram instaurados no primeiro turno.

Ainda segundo a PF, 1.365 inquéritos foram instaurados durante todo o ano para apurar crimes eleitorais. Desde o início de 2022, o órgão lavrou 229 termos circunstanciados de ocorrência, prendeu 487 pessoas e apreendeu R$ 8,4 milhões em bens e valores.