Segurança do Carrefour confirma agressão a cão, mas diz estar arrependido

Imagem do cachorro morto supostamente por um segurança do Carrefour. Foto: Reprodução/Facebook

O segurança acusado de agredir e causar a morte de um cachorro em uma loja do Carrefour em Osasco, na Grande São Paulo, confessou à polícia ter golpeado o animal com uma barra de ferro, mas disse estar arrependido.

Acompanhado de um advogado, o homem prestou depoimento nesta quinta-feira (6) na Delegacia do Meio Ambiente, segundo o Estadão. De acordo com sua versão, ele afirmou não ter percebido que havia ferido o animal e só se deu conta do que havia acontecido quando viu sangue no chão. Disse também ter buscado ligado para o Centro de Zoonoses de seu celular pessoal em busca de ajuda.

Ainda segundo o jornal, o homem relatou estar muito assustado com a repercussão do caso e foi indiciado por praticar abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais. A pena prevista é de três meses a um ano de prisão, além de multa, que pode ser aumentada em até um terço por causa da morte do animal.

O segurança foi dispensado após o depoimento. Ele vai responder em liberdade, porque o crime é considerado de baixo potencial ofensivo.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública afirmou que o caso ainda é investigado. “Policiais analisam imagens de câmeras de segurança do local e colhem oitivas de testemunhas, como a veterinária do Centro de Zoonoses de Osasco, que atendeu o animal, e o segurança do estabelecimento, porém mais detalhes não podem ser passados para não atrapalhar as investigações.”

Imagens confirmam agressão

O deputado estadual Fernando Capez (PSDB), que é jurista e a ativista Luisa Mell estiveram na delegacia no início da semana para observar as imagens da câmera de segurança do Carrefour, cedidas pela própria empresa à polícia. 

Segundo a administração municipal, o cachorro tinha pressão baixa, vomitava com sangue e tinha escoriações múltiplas.

Na próxima terça (11), o Senado deve votar proposta apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para elevar a punição para crimes de maus-tratos contra animais. Pelo projeto, iria de 1 a 3 anos de detenção.

Nota do Carrefour

O Carrefour reconhece que um grave problema ocorreu em nossa loja de Osasco. A empresa não vai se eximir de sua responsabilidade. Estamos tristes com a morte desse animal. Somos os maiores interessados para que todos os fatos sejam esclarecidos. Por isso, aguardamos que as autoridades concluam rapidamente as investigações.

Desde o início da apuração, o funcionário de empresa terceirizada foi afastado. Qualquer que seja a conclusão do inquérito, estamos inteiramente comprometidos em dar uma resposta a todos. Queremos informar também que estamos recebendo sugestões de várias entidades e ONGS ligadas à causa que vão nos auxiliar na construção de uma nova política para a proteção e defesa dos animais.