Seguranças que chicotearam jovem negro têm prisão decretada

Jovem foi despido, amordaçado e açoitado. Foto: Reprodução

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) decretou, nesta quarta-feira (4), a prisão temporária dos dois seguranças que chicotearam um jovem negro de 17 anos em um supermercado na zona sul de São Paulo.

David de Oliveira Fernandes e Valdir Bispo dos Santos irão responder pelo crime de tortura. Em sua decisão, a juíza Tatiana Saes Valverde Ormeleze pediu para que fosse feita uma busca e apreensão no mercado onde os dois cometeram o crime e na casa deles.

Em sua decisão, a juíza afirmou que é preciso “esclarecer o mais rápido possível as circunstâncias do gravíssimo crime praticado”.

Leia também:

Há cerca de um mês, o jovem foi até o supermercado na intenção de furtar uma barra de chocolate. Antes de conseguir realizar o crime, no entanto, ele foi impedido pelos seguranças.

Porém, os dois não chamaram a polícia. Eles levaram o jovem para uma sala reservada do mercado e começaram a realizar uma sessão de tortura. Os dois despiram o jovem e colocaram uma fita em sua boca.

Depois disso, começaram a chicotear o adolescente com um fio elétrico trançado. Além disso, os dois filmaram toda a ação. A reportagem teve acesso a um vídeo do momento em que o jovem estava sendo torturado.

Durante as agressões, que teriam durado por volta de 40 minutos, o adolescente chorava muito e tentava gritar, mas não conseguia por estar com a boca colada.

Nas imagens, é possível observar o local com alimentos estocados. Durante a tortura, o jovem era orientado a não colocar a mão na frente de seu corpo nu para tentar protegê-lo das chibatadas. “Tira a mão, p...”, dizia um dos homens. “Vamos ter que te matar”, afirmava o outro.

O vídeo, no entanto, não será publicado pela reportagem para preservar a imagem e a integridade moral da vítima.

Depois de um mês do ocorrido, o jovem teve coragem de procurar as autoridades. Nesta segunda-feira (2), ele foi até o 80 DP e contou o que tinha acontecido. Então, o delegado Pedro Luis de Sousa pediu a prisão da dupla para a Justiça de São Paulo.