Seis anos após impeachment de Dilma, MPF arquiva inquérito sobre “pedaladas”

Dilma Rousseff foi retirada do cargo em 2016, acusada de pedaladas fiscais (Foto: SILVIO AVILA/AFP via Getty Images)
Dilma Rousseff foi retirada do cargo em 2016, acusada de pedaladas fiscais (Foto: SILVIO AVILA/AFP via Getty Images)

O Ministério Público Federal (MPF) arquivou o inquérito civil contra o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega que investigava supostas irregularidades nas operações de crédito do governo de Dilma Rousseff (PT). Essa seria a base da justificativa para o pedido de impeachment da ex-presidente.

Dilma foi acusada de dar “pedaladas fiscais”, o que configura atrasar repasses obrigatórios em bancos públicos de recursos usado no pagamento de benefícios sociais. Guido Mantega, Dilma Rousseff e Arno Augustin, então secretário do Tesouro Nacional, foram investigados pelo crime.

Em nota, Dilma comemorou a decisão do MPF. “A verdade veio à tona. Demorou, mas a Justiça está sendo feita”, declarou a petista. A decisão foi tomada seis anos após o impeachment.

A 5ª Câmara de Coordenação e Revisão de Combate à Corrupção homologou o arquivamento, sob o fundamento de que “tanto o Tribunal de Contas da União quanto a Corregedoria do Ministério da Economia afastaram a possibilidade de responsabilização dos agentes públicos que concorreram para as pedaladas fiscais do ano de 2015, seja em virtude da constatação da boa-fé dos implicados, seja porquanto apenas procederam em conformidade com as práticas do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão”.

Autor de impeachment apoia Lula

O ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior, um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), decidiu apoiar Lula no 1º turno das eleições. A informação foi revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Inicialmente, a ideia de Reale Júnior era apoiar um candidato da chamada “terceira via”, mas entendeu que a prioridade é que o petista vença no dia 2 de outubro, impedindo um segundo turno na eleição presidencial.

“Sem perspectiva de vitória da terceira via, é importante que Lula vença no primeiro turno, para se impedir ação desesperada de Bolsonaro. Decidir por Lula é consequência de saber que assim se evitará ataques à democracia, à dignidade da pessoa humana e ao meio ambiente, que, com certeza, sucederão com maior intensidade em novo mandato de Bolsonaro”, disse o ex-ministro ao Estadão.