Seis companhias aéreas devem pagar mais de US$ 600 milhões em reembolsos a passageiros

O Departamento de Transportes dos Estados Unidos determinou que seis companhias aéreas paguem mais de US$ 600 milhões em reembolsos a passageiros por voos cancelados ou alterados, depois que viajantes buscaram reparação por não receberem seu dinheiro de volta.

Como evitar a 'Blackfraude'? Confira dez dicas

Flamengo: Empresa de turismo assina compromisso com Procon-RJ para realocação de torcedores em voo

As companhias afetadas foram a americana Low Cost Frontier, que teve a multa mais alta em US$ 2,2 milhões, bem como as estrangeiras Air India, TAP Portugal, Aeroméxico, El Al e Avianca.

De acordo com o comunicado divulgado pelo departamento, as autoridades receberam uma "avalanche de reclamações de viajantes" desde o início da pandemia, devido à falha das empresas em fornecer os reembolsos devidos.

Setor aéreo: Preço de bilhete semelhante deixa passageiro refém de empresas aéreas

“O cancelamento de um voo é frustrante o suficiente e não se deveria implorar ou esperar meses por um reembolso”, disse o secretário de Transportes, Pete Buttigieg.

O Departamento de Transportes também disse que está avaliando mais de US$ 7,25 milhões em multas civis contra as companhias aéreas por "atrasos extremos no fornecimento de reembolsos".

A lei americana prevê que companhias aéreas e agentes de emissão de passagens são obrigados a reembolsar os clientes se as companhias aéreas cancelarem ou "alterarem significativamente" um voo para e dentro do país, se o consumidor não quiser aceitar a alternativa oferecida.

É ilegal que as companhias aéreas recusem reembolsos e, em vez disso, forneçam cupons aos consumidores, disseram as autoridades.