Seis curiosidades sobre o mate, que completa 100 anos

- Você é carioca?

- Sim.

- Então fala: 'o que tem para beber?'.

- Tem mate?

Consulte aqui:Guia Rio show de Gastronomia

A bebida queridinha do carioca está fazendo um século e saiu dos copos para as páginas. É o livro “O mate e a cultura do Rio - 100 anos de chá mate”, das jornalistas Sabrina Petry e Isabela Esteves, para a editora Lamparina Comunicação e Responsabilidade Social, que será lançado hoje, às 18h, na Livraria da Travessa, no Barra Shopping.

O livro traz curiosidades da bebida desde a sua chegada na cidade até virar Patrimônio Cultural e Imaterial da cidade do Rio de Janeiro, em 2012. A seguir, algumas curiosidades sobre o mate nosso de cada dia.

Em 1920, foi lançado o primeiro chá-mate do Brasil, pela empresa Real, na cidade de Curitiba. O novo tipo de consumo, com a erva-mate tostada, buscava imitar o aspecto escuro do famoso chá-preto inglês, produzido na Índia e no Ceilão.Na década de 1930, a erva-mate se tornou um produto muito relevante para a economia do país. Tanto é que, em 1938, foi criado o Instituto Nacional do Mate, focado na exportação e na tentativa de popularização da erva-mate nos Estados Unidos.Para fazer sucesso no Rio, a bebida passou por algumas modificações no modo de consumo. Por conta do calor das bandas de cá, foi preciso criar a versão gelada do chá.O primeiro encontro entre o mate e o biscoito Globo foi no Maracanã, em 1950. Eles continuam inseparáveis até hoje.A profissão mateiro começou na década de 1960, com os vendedores de galão circulando pelas praias da Zona Sul.José de Oliveira Dias, o Seu Zé, foi um dos pioneiros na profissão, nas areias do Leblon. Seu Zé diz ter sido dele a ideia de misturar o mate de um tambor com o limão do outro. Obrigada, Seu Zé.