Seis estádios da Copa do Mundo de 2014 estão sob suspeita de irregularidades

SÃO PAULO (Reuters) - Ao menos seis estádios da Copa do Mundo do Brasil, incluindo o Maracanã, palco da final do torneio de 2014, estão sob escrutínio em uma série de novas investigações de corrupção autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta semana.

O conteúdo das delações de executivos e ex-executivos da Odebrecht citam irregularidades na Arena Corinthians, em São Paulo, no Estádio Nacional “Mané Garrincha”, em Brasília, na Arena Pernambuco, em Recife, na Arena Castelão, em Fortaleza, e a Arena Amazônia, em Manaus, além do Maracanã, no Rio de Janeiro.

O ministro do STF Edson Fachin autorizou a abertura de inquéritos com base nas delações na terça-feira, mas os detalhes dos depoimentos gravados de 77 atuais e ex-executivos do grupo Odebrecht ainda estão emergindo.

Evidências de que construtoras e políticos colaboraram para fixar preços de contratos reforçam suspeitas de que muitos dos 12 estádios construídos ou renovados para a Copa do Mundo de 2014 foram superfaturados.

A renovação do Maracanã custaria 700 milhões de reais, mas eventualmente o valor subiu para 1 bilhão de reais. A Arena Corinthians originalmente seria um estádio menor, construído por 350 milhões de reais, mas o custo ultrapassou 1 bilhão de reais após ser decidido que o local seria sede da partida de abertura da competição.

O estádio “Mané Garrincha”, que foi somente renovado para o torneio, foi o mais caro de todos, custando 1,4 bilhão de reais.

Os executivos da Odebrecht depuseram como parte de um acordo com autoridades brasileiras, norte-americanas e suíças no maior escândalo de corrupção do país, desvendado pela operação Lava Jato, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Políticos citados na delação negam qualquer atos irregulares e dizem que agora têm a oportunidade de apresentar evidências de inocência.

De acordo com os depoimentos divulgados pelo STF, ao menos cinco executivos da Odebrecht confirmaram que pagamentos foram feitos para assegurar o que chamaram de “uma vantagem indevida associada ao trabalho no estádio do Maracanã”.

Em Pernambuco, Manaus e Fortaleza, a Odebrecht e outra construtora colaboraram para “frustrar o caráter competitivo do processo de licitação”.

(Reportagem de Andrew Downie)

((Tradução Redação São Paulo, +5511 56447719))

REUTERS RBS

(Raquel Stenzel)