Seis meses após a morte de arquiteto Paulo Mendes, IAB-ES faz campanha pela conclusão do Cais das Artes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

VITÓRIA — O conjunto robusto e inacabado de concreto na beira da Enseada do Suá, em Vitória (ES), resiste ao tempo. Há bastante tempo. Um dos últimos projetos de Paulo Mendes da Rocha, um dos maiores arquitetos do país e ganhador do Pritzker, considerado o “Nobel da Arquitetura”, começou a ser construído em 2012. O centro cultural Cais das Artes era o primeiro — e único — desenho feito para a cidade em que ele nasceu e passou a infância. Mas afundou em um imbróglio judicial que envolve falências, troca de empreiteiras e de governos. Agora, quase dez anos depois do início das obras, e meses depois da morte do arquiteto, a seccional do Instituto de Arquitetos do Brasil do Espírito Santo (IAB-ES) lançou uma nova campanha pela conclusão da construção.

Há duas semanas, integrantes do IAB-ES fizeram um ato em frente à obra paralisada, com o mote “Tudo isso era para acontecer aqui”, uma referência às manifestações artísticas que seriam contempladas no centro cultural. Nesta semana, o Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE-ES) decidiu notificar duas secretarias e um órgão do governo estadual pelo abandono das obras do Cais das Artes.

— É um descaso sob todos os aspectos: político, administrativo, social, cultural. É um absurdo uma obra dessa envergadura estar parada — lamenta Geraldo Lino, presidente do IAB-ES.

VITÓRIA — O conjunto robusto e inacabado de concreto na beira da Enseada do Suá, em Vitória (ES), resiste ao tempo. Há bastante tempo. Um dos últimos projetos de Paulo Mendes da Rocha, um dos maiores arquitetos do país e ganhador do Pritzker, considerado o “Nobel da Arquitetura”, começou a ser construído em 2012. O centro cultural Cais das Artes era o primeiro — e único — desenho feito para a cidade em que ele nasceu e passou a infância. Mas afundou em um imbróglio judicial que envolve falências, troca de empreiteiras e de governos. Agora, quase dez anos depois do início das obras, e meses depois da morte do arquiteto, a seccional do Instituto de Arquitetos do Brasil do Espírito Santo (IAB-ES) lançou uma nova campanha pela conclusão da construção.

Há duas semanas, integrantes do IAB-ES fizeram um ato em frente à obra paralisada, com o mote “Tudo isso era para acontecer aqui”, uma referência às manifestações artísticas que seriam contempladas no centro cultural. Nesta semana, o Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE-ES) decidiu notificar duas secretarias e um órgão do governo estadual pelo abandono das obras do Cais das Artes.

— É um descaso sob todos os aspectos: político, administrativo, social, cultural. É um absurdo uma obra dessa envergadura estar parada — lamenta Geraldo Lino, presidente do IAB-ES.

VITÓRIA — O conjunto robusto e inacabado de concreto na beira da Enseada do Suá, em Vitória (ES), resiste ao tempo. Há bastante tempo. Um dos últimos projetos de Paulo Mendes da Rocha, um dos maiores arquitetos do país e ganhador do Pritzker, considerado o “Nobel da Arquitetura”, começou a ser construído em 2012. O centro cultural Cais das Artes era o primeiro — e único — desenho feito para a cidade em que ele nasceu e passou a infância. Mas afundou em um imbróglio judicial que envolve falências, troca de empreiteiras e de governos. Agora, quase dez anos depois do início das obras, e meses depois da morte do arquiteto, a seccional do Instituto de Arquitetos do Brasil do Espírito Santo (IAB-ES) lançou uma nova campanha pela conclusão da construção.

Há duas semanas, integrantes do IAB-ES fizeram um ato em frente à obra paralisada, com o mote “Tudo isso era para acontecer aqui”, uma referência às manifestações artísticas que seriam contempladas no centro cultural. Nesta semana, o Tribunal de Contas do Espírito Santo (TCE-ES) decidiu notificar duas secretarias e um órgão do governo estadual pelo abandono das obras do Cais das Artes.

— É um descaso sob todos os aspectos: político, administrativo, social, cultural. É um absurdo uma obra dessa envergadura estar parada — lamenta Geraldo Lino, presidente do IAB-ES.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos