Seis toneladas de cocaína são apreendidas do ELN nas selvas colombianas

·2 minuto de leitura
(2020) Soldado vigia plantação de coca na cidade colombiana de Tumaco

O ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, anunciou nesta terça-feira (29) a apreensão de seis toneladas de cocaína dos guerrilheiros do ELN em um complexo de laboratórios localizado nas selvas do sudoeste do país.

“Quero anunciar ao país o golpe mais importante contra o narcotráfico do ELN neste ano, com a apreensão de seis toneladas de cloridrato de cocaína”, declarou Molano em um vídeo enviado à imprensa.

A Operação Jared, na qual três "grandes laboratórios" foram destruídos pelas Forças Armadas e pela promotoria, foi realizada no município de Samaniego, departamento de Nariño, próximo à fronteira com o Equador.

“A cocaína, maquinários e outros elementos encontrados ultrapassariam o valor de nove milhões de dólares. O narcótico estava pronto para ser embalado e transportado para a costa do Pacífico colombiano para ser enviado ao México e aos Estados Unidos”, acrescentou o procurador-geral da Colômbia, Francisco Barbosa.

Molano anunciou esta semana que redobrará os esforços contra o "terrorismo" de grupos armados após o ataque ao helicóptero do presidente Iván Duque, ocorrido na sexta-feira em Cúcuta, perto da fronteira com a Venezuela.

O governo responsabiliza o ELN pelo ataque e pela explosão de um carro-bomba em uma unidade militar da mesma cidade, ocorrida dez dias antes.

Último guerrilheiro reconhecido após o pacto que encerrou um conflito de meio século com as Farc, o Exército de Libertação Nacional (ELN) nega estar envolvido no ataque à base militar.

O sudoeste da Colômbia sofre com um recrudescimento da violência após o acordo de paz assinado em 2016 com a insurgência marxista.

O governo atribui a violência a grupos financiados pelo narcotráfico, consolidados nas fronteiras com Venezuela, Panamá e Equador.

Em 2020, a ONU estimou em 144.000 os hectares de coca plantados no país. Embora a área tenha sido reduzida em 7% em relação a 2019, a produção de cocaína continua aumentando, lamentou Pierre Lapaque, representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc).

Depois de décadas de luta contra o tráfico, a Colômbia é o maior fornecedor mundial de cocaína e os Estados Unidos o principal consumidor.

dl/lda/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos