Seleção feminina enfrenta a anfitriã França, uma das favoritas no mundial

Equipe HuffPost
Aos 28 anos, Wendie Renard atua na defesa e se destaca pela técnica em campo.

Neste domingo (23), o Brasil terá pela frente um de seus principais desafios até agora na Copa de Futebol feminino da França. As jogadoras da seleção enfrentarão o time anfitrião pelas oitavas de final, e apenas a vitória garante o passaporte para a próxima fase.

Desde o início do campeonato, a França já era apontada como uma das equipes favoritas e, por isso, acumula pressão. Mas o favoritismo vai além de jogar em casa e com torcida própria.

Veterana na Copa do Mundo, a seleção francesa já participou de três torneios, e ocupa o quarto lugar no ranking mundial da Fifa do futebol feminino. No mundial, já enfrentou o Brasil duas vezes e teve seu melhor desempenho quando pegou a quarta colocação no campeonato de 2011.

O discurso da seleção brasileira, no entanto, tem sido otimista. “Acredito que o Brasil é um grande time, e nós não devemos ter medo da seleção da França. O Brasil tem nome também e vamos estar preparadas”, disse a zagueira da seleção brasileira Kathellen, em entrevista coletiva nesta semana.

“O peso está mais nas costas delas do que nas nossas”, avaliou a jogadora, ao destacar a pressão de ser anfitriã. 

Diacre orienta seleção francesa durante a Copa feminina da França.

Apesar de a França nunca ter ganho um Mundial, nos últimos dez anos, a Federação Francesa de Futebol voltou seus olhos para a modalidade e investiu no esporte: constituiu categorias de base e ligas nacionais e investiu na profissionalização de atletas.

Não à toa, elas colecionam resultados positivos construídos a longo prazo. Quando participou pela primeira vez do Mundial, em 2003, o time não avançou da primeira fase ― onde, inclusive, enfrentou o Brasil. Já em 2011, com investimento da Federação, as francesas alcançaram o quarto lugar no torneio. Hoje, como anfitriãs do evento, lotaram estádios com ingressos esgotados.

Outro efeito desse investimento a longo prazo é o fato de nomes de peso integrarem o time também em áreas táticas, como a atacante Amandine Henry, a defensora Wendie...

Continue a ler no HuffPost