Sem apoio do Brasil, ministros da Defesa das Américas repudiam Guerra da Ucrânia

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Apesar da resistência demonstrada pelo Brasil, os ministros da Defesa dos países das Américas aprovaram nesta quinta-feira (28) um documento em que repudiam os ataques da Rússia contra a Ucrânia. O texto, intitulado Declaração de Brasília, foi assinado por 21 países no encerramento da 15ª Conferência de Ministros de Defesa das Américas.

"Os conflitos presentes em todo o mundo, como a invasão da Ucrânia e os atos de violência exercidos por grupos armados que terrorizam a população no Haiti, não são os meios legítimos para resolver as disputas, de modo que os Estados-Membros da CMDA (Conferência de Ministros de Defesa das Américas) esperam uma solução pacífica tão pronto seja possível", diz o segundo parágrafo da declaração.

Brasil, Argentina e México apresentaram ressalvas à declaração. Os dois primeiros por considerarem que a ONU é o "foro com mandato adequado para tratar do conflito na Ucrânia"; o Ministério da Defesa mexicano, por sua vez, disse que o trecho "não corresponde ao âmbito da CMDA, visto que, em base à compatibilidade dos princípios de política exterior do México, não é possível aderir seu conhecimento".

A posição do Brasil já era esperada, já que, em minuta de declaração enviada antes do evento, as autoridades do país não haviam incluído nenhum repúdio à invasão russa. Em reuniões prévias, os representantes do Ministério da Defesa afirmaram que o tema não deveria ser tratado no âmbito da conferência, citando organismos internacionais "mais apropriados para a tratativa de assuntos afetos a esse conflito".

A ressalva segue decisão do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do Itamaraty de manter o país em uma posição vista como neutra durante a guerra --o que rendeu críticas recentes do ucraniano Volodimir Zelenski. No entendimento do Planalto, o posicionamento reduz possíveis crises comerciais, visto que o Brasil depende de fertilizantes importados da Rússia.

A defesa para que a Declaração de Brasília incluísse um repúdio à Rússia foi feita pela ministra de Defesa do Canadá, Anita Anand. Na manhã de quarta-feira (27), antes das reuniões bilaterais, ela disse ao jornal Folha de S.Paulo que faria um esforço no encontro com os demais ministros para convencê-los.

"Nós vamos conversar e ver como será a posição. Acho que será tranquilo."

Em nota, o Ministério da Defesa disse à Folha de S.Paulo que o "Brasil já tem posição firmada em fóruns internacionais, por meio de sua diplomacia, como no Conselho de Segurança da ONU" sobre a guerra.

A Declaração de Brasília também passou por discussões sobre dois temas relevantes para os EUA. As autoridades americanas conseguiram convencer os demais países a retirar do texto um pedido para que os países-membros da OEA (Organização dos Estados Americanos) apoiassem "maior aporte orçamentário" para a Junta Interamericana de Defesa.

A JID é uma organização militar internacional que presta assessoramento técnico sobre defesa a países do hemisfério americano.

Ainda foi discutida pelos ministros da Defesa uma sugestão do grupo de trabalho sobre ciberdefesa para que os países das Américas melhorassem sua legislação sobre o assunto.

O grupo, presidido pela Colômbia, concluiu que um dos principais desafios à ciberdefesa e cibersegurança é a utilização de perfis falsos nas redes sociais.

O Brasil não defendeu a inclusão do trecho na Declaração de Brasília e preferiu deixar a sugestão somente nas conclusões do grupo de trabalho, tirando peso à sugestão, segundo duas fontes militares ouvidas pela reportagem.

A 15ª Conferência de Ministros de Defesa das Américas começou na segunda-feira (25), em Brasília, e termina oficialmente nesta quinta, com a assinatura da declaração. Durante os quatro dias de evento, o ministro Paulo Sérgio Nogueira participou de dez reuniões bilaterais.

Na principal delas, na quarta (27), o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, afirmou ao general que o governo Joe Biden espera que o Brasil realize eleições justas e transparentes neste ano. No encontro, de cerca de 40 minutos, Austin falou rapidamente sobre o pleito, de acordo com três fontes ouvidas pela reportagem com conhecimento do que foi discutido.

A declaração foi entendida pelo lado brasileiro como uma tentativa de Washington de reafirmar que tem acompanhado com preocupação a retórica golpista de Bolsonaro, que envolve questionamentos ao sistema eleitoral e ataques às urnas eletrônicas.

Segundo os relatos, Nogueira defendeu a atuação das Forças Armadas junto ao TSE, lembrou que elas foram convidadas para participar do processo e disse que os militares têm trabalhado para garantir que o pleito seja livre e transparente.

Na cúpula das Forças Armadas, a avaliação é que o envolvimento da instituição no processo eleitoral foi politizado tanto por Bolsonaro quanto pela oposição. A Defesa tem defendido que as urnas eletrônicas não estão seguras contra ameaças internas e sugere aperfeiçoamento em testes de integridade --esse trabalho é usado pelo presidente para atacar ministros do TSE e questionar o resultado de eleições.

Um dia antes da reunião bilateral, Austin defendeu, no discurso inicial do evento, que as Forças Armadas dos países da América devem estar sob "firme controle civil".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos