Sem 'mullets', Haddad opta por corte de cabelo mais certinho

HELOÍSA NEGRÃO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT) estreou um novo penteado em rede nacional na última segunda-feira, durante entrevista ao Jornal Nacional.

Os fios mais longos, desarrumados e com "mullets" atrás da orelha deram lugar a um leve topete bem alinhado.

O nome do barbeiro que cortou o cabelo do candidato não foi divulgado.

Para o visagista e cabeleireiro do Jacques Janine do Shopping Center Norte, Tiago Costa, o presidenciável ajeitou os fios usando cera de cabelo, um produto comum entre os mais jovens.

"Ele mudou sensivelmente para se aproximar do pessoal mais jovem, tirou o volume lateral e fez um topete. Passou uma cera de cabelo para [arrumar] e dar movimento, se fosse gel, ia ficar um bloco duro", afirma.

Para o cabeleireiro, apesar de ser um estilo corte de bastante antigo/tradicional, Haddad quis passar contemporaneidade com o novo estilo.

"Ele tentou desvincular a imagem de político tradicional, [para passar] a imagem de um amigo que tem uma profissão bacana", afirma.

Para Wilson Eliodorio, que cuida do cabelo de atrizes como Taís Araújo e Maria Fernanda Cândido, os fios mais curtos deixaram o candidato mais elegante.

"Os fios curtos não chegam a deixar a aparência envelhecida, mas deixa mais alinhado e elegante", afirma.

Os dois cabeleireiros concordam que o novo corte ajudou a alongar o rosto do candidato.

"Ele tem uma leve papada. O topete ajuda a deixar o rosto mais harmônico", diz Eliodorio.

Segundo Costa, o rosto mais oval é mais harmônico e tende a agradar mais, conforme as regras do visagismo --estudo das proporções da face.

Os fios mais compridos na nuca (chamado de "mullets") dão a sensação de rosto mais achatado. "E são meio antigo, cafoninha", diz.

Eliodorio discorda, para ele os fios mais longos (e com mullets) combinam e rejuvenescem quem costuma usar roupas mais formais.

"Um 'mulletizinho' dá uma certa leveza (descontração) para quem usa terno e gravata", afirma.

O cabeleireiro e maquiador Ricardo dos Anjos, do programa S.O.S Salvem o Salão, da GNT, diz que deram ao candidato um visual mais polido, "para passar a ideia de alguém mais certinho", afirma.

Assim como Eliodorio, Anjos não vê no cabelo mais longo um sinal de falta de seriedade.

"É aquela ideia mais antiga, de que não pode usar barba se você trabalha em um lugar mais formal ou em uma empresa mais certinha. Ou quando dizem que a mulher que não pode usar cabelo com volume no ambiente corporativo", diz.

Durante a campanha pela prefeitura de São Paulo, Haddad chegou a ter os fios cortados por Celso Kamura, cabeleireiro e maquiador de Dilma Rousseff. Porém, foi ao salão do amigo e sócio da apresentadora Angélica somente uma vez.

No primeiro mandato, o ex-presidente Lula fazia barba e cabelo com um antigo amigo sindicalista, que atendia no Ipiranga, zona norte de São Paulo. No segundo mandato, ele e a ex-primeira dama Marisa Letícia passaram aos cuidados de Wanderley Nunes, dono da rede Studio W.

O líder nas pesquisas Jair Bolsonaro (PSL) gosta de usar o salão que frequenta no Rio de Janeiro para gravar vídeos ao vivo em sua página no Facebook. O candidato gravou dois vídeos, em momentos diferentes, enquanto tinha o cabelo cortado por Antonio (ele não dá mais detalhes sobre o salão).