Sem apresentar motivos, Bolsonaro se queixa do TSE e diz que decisões só o prejudicam

Bolsonaro visitou a Expointer, maior feira agropecuária a céu aberto da América Latina, em Esteio (RS). No evento, criticou decisão do TSE de proibir o uso de celulares na hora de votar. (REUTERS/Adriano Machado)
Bolsonaro visitou a Expointer, maior feira agropecuária a céu aberto da América Latina, em Esteio (RS). No evento, criticou decisão do TSE de proibir o uso de celulares na hora de votar. (REUTERS/Adriano Machado)
  • Bolsonaro critica decisão do TSE de proibir o uso de celulares na hora de votar;

  • Candidato à reeleição disse que as medidas da Corte só o prejudicam;

  • Ele também se mostrou confiante na vitória no 1º Turno.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) criticou, nesta sexta-feira (2), as decisões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Questionado sobre a proibição do uso de celulares na hora de votar, o candidato à reeleição se queixou de que as medidas da Corte só o prejudicam.

"No meu entender, é mais um abuso do TSE. Eles estão tomando várias medidas, sempre prejudica o nosso lado. Lamentavelmente, o TSE tem agido dessa maneira”, opinou durante visita à Expointer, maior feira agropecuária a céu aberto da América Latina, em Esteio (RS).

Aos jornalistas presentes no local, Bolsonaro disse que espera “que o povo vá votar” e não se mostrou preocupado com resultados prévios. Segundo o Datafolha desta quinta-feira (1º), o atual chefe do Executivo tem 32% das intenções de voto, contra os 45% do primeiro colocado, Lula (PT). “Eu não acredito em pesquisas, como Datafolha que falou ontem que vai ter segundo turno. Não vai ter. A gente vai ganhar no primeiro turno", acrescentou.

Em abril, Bolsonaro criticou o WhatsApp por não liberar grupos de grande porte no aplicativo até as eleições presidenciais deste ano. O temor da empresa e do TSE era de que o recurso aumentasse a desinformação durante o período eleitoral.

Entenda a proibição

Na semana passada, o TSE decidiu por unanimidade que todos os eleitores precisarão deixar seus aparelhos celulares com os mesários na hora de votar. Os dispositivos deverão ser entregues junto com o documento de identificação e serão devolvidos assim que o usuário deixar a cabine de votação.

O objetivo é garantir o sigilo do pleito, que está previsto na Constituição Federal (CF), e evitar que os eleitores sejam coagidos a gravar seus votos. A regra também vale para outros equipamentos, como máquinas fotográficas. O eleitor que não entregar o celular ao mesário na seção eleitoral não poderá votar.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: