Sem dinheiro, mais brasileiros economizam na higiene pessoal, diz estudo

Segundo levantamento, brasileiros têm economizado na higiene pessoal por falta de dinheiro. Foto: Getty Images.
Segundo levantamento, brasileiros têm economizado na higiene pessoal por falta de dinheiro. Foto: Getty Images.
  • Segundo levantamento, brasileiros têm economizado na higiene pessoal por falta de dinheiro;

  • No segundo semestre deste ano, o número de banhos sem uso de sabonete cresceu 9% entre as pessoas que tomam segundo banho diário;

  • Atualmente, quase 70% dos brasileiros tomam dois banhos por dia.

Dados de um estudo nacional sobre hábitos de higiene e consumo, realizado pela consultoria Kantar, apontam que o crescimento da inflação levou os brasileiros de menor renda a fazer escolhas também na hora de usar produtos básicos de higiene pessoal, como sabonete e xampu.

Durante o segundo trimestre de 2022, o número de banhos sem a utilização de sabonete aumentou 9% entre as pessoas que tomam o segundo banho diário em relação ao mesmo período de 2018. Atualmente, quase 70% dos brasileiros tomam dois banhos ao dia.

Leia também:

A consultoria monitora, com o auxílio de um aplicativo, o comportamento de 4 mil pessoas diariamente. Os hábitos de higiene desse grupo equivalem a cerca de 115 milhões de brasileiros, ou seja, pouco mais da metade da população do Brasil.

“Não é que os brasileiros estejam abandonando o sabonete, mas um em cada cinco banhos é apenas com água, e essas ocasiões são feitas por cerca de 31% da população”, explica a executiva sênior da consultoria e responsável pelo levantamento, Jenifer F. Novaes.

Desde 2019, os banhos sem sabonete têm aumentado. O pico foi alcançado durante o segundo trimestre de 2021, quando se teve um crescimento de 28% ante a mesma data em 2018.

Segundo a pesquisa, a quantidade de banhos sem o uso de sabonete aumentou 3,9% entre o último trimestre do ano passado e o segundo trimestre de 2022.

De acordo com o levantamento, o crescimento de banhos só com água aconteceu somente entre as classes D e E, cuja renda média individual é de R$ 791,63.

*As informações são do Jornal Estado de S. Paulo.