Sem Elizabeth II, mas com Harry e Meghan, missa marca segundo dia do Jubileu de Platina

O segundo dia dos festejos do Jubileu de Platina de Elizabeth II, que teve como principal ato uma missa de ação de graças na Catedral de São Paulo, não contou com a presença da rainha, que alegou “cansaço” após os eventos da véspera, mas foi marcado pelo retorno do príncipe Harry e sua mulher, Meghan, a um ato público da monarquia britânica.

Quiz: Sexta mulher a assumir Coroa britânica, Elizabeth II completa 70 anos de reinado; teste seus conhecimentos

Jubileu de Platina: 42 voltas ao mundo e 21 mil atos oficiais são alguns dos recordes de Elizabeth II; veja outros

Jubileu de Platina: Quem esteve com a rainha na sacada do Palácio de Buckingham?

De acordo com o Palácio de Buckingham, Elizabeth, de 96 anos, sentiu um “certo mal estar” após duas aparições na sacada do palácio, na quinta-feira, o primeiro dos quatro dias de celebrações que marcam os 70 anos dela à frente do trono britânico.

“Levando em conta o trajeto e a atividade necessária para participar da missa de ação de graças na Catedral de São Paulo, sua majestade concluiu, relutantemente, que não participará”, explicou o Palácio.

70 anos: Reino Unido celebra Jubileu de Platina da rainha Elizabeth II em meio a crises

Pelos planos originais, ela sairia do Castelo de Windsor, onde vive, até a Catedral, e sua ausência foi lamentada por alguns dos súditos que a aguardavam no trajeto.

— Mesmo assim, é compreensível, porque ela tem 96 anos — disse à AFP Stephanie Stitt, organizadora de eventos de 35 anos. Para ela, “é agradável celebrar algo e não lembrar da crise pelo custo de vida”, se referindo à taxa de inflação no Reino Unido, que em maio chegou a 9% ao ano, o maior índice em 40 anos.

Além da missa, Elizabeth II também não estará presente à corrida de cavalos de Epsom, evento que integra os festejos do Jubileu. O Palácio de Buckingham afirmou que a rainha sofre de “problemas de mobilidade”.

Jubileu de Platina de Elizabeth II em números: 1 bi de espectadores, 200 mil eventos, 1.500 militares; veja outros

Em maio, pela primeira vez em 59 anos, ela não discursou na abertura dos trabalhos do Parlamento, sendo representada pelo seu filho mais velho, Charles, que ocupou a mesma função nesta sexta-feira — em outubro do ano passado, ela ficou internada por uma noite em um hospital, por motivos não especificados, e recebeu a recomendação para descansar. Desde então, tem evitado eventos públicos e trabalhado de forma remota quando possível.

Outra ausência notada foi a do príncipe Andrew, que foi diagnosticado com Covid-19. Nos últimos meses, foi acusado de ter abusado sexualmente de uma mulher, então menor de idade, com quem chegou a um acordo para encerrar um processo, pagando uma quantia não revelada. Mesmo assim, perdeu títulos militares e de realeza, e não é mais chamado de “sua alteza”. Segundo o Palácio de Buckingham, ele esteve com a rainha Elizabeth II nos últimos dias, mas os testes dela deram negativo.

Música antimonarquista: Sex Pistols lança reedição do vinil 'God Save The Queen' para marcar jubileu da rainha Elizabeth II

Entre os presentes, o príncipe Harry e sua esposa, Meghan Markle, foram os favoritos dos fotógrafos: essa foi a primeira participação do casal em um evento oficial da monarquia desde 2020, quando decidiram abandonar seus deveres junto à família real britânica. Logo depois, se mudaram para os EUA e chegaram a criticar a realeza, incluindo com acusações de racismo.

Neste período, foram raros seus encontros com a rainha — Lilibeth, a filha do casal que completa um ano no sábado, conheceu a bisavó apenas esta semana. O casal também evitou a imprensa e, dentro da Catedral, se sentou longe do irmão, William, e de sua mulher, Kate. Segundo a imprensa britânica, os dois irmãos e herdeiros do trono se comunicam eventualmente, mas a relação segue estremecida. Na chegada à Catedral, Harry e Meghan ouviram algumas vaias, mas a recepção foi majoritariamente positiva.

O sucessor: Na espera desde que nasceu, o pouco amado príncipe Charles ganha protagonismo no jubileu da mãe

Do lado de dentro da Catedral, cerca de dois mil convidados acompanharam a missa — entre eles, 400 profissionais da saúde, uma homenagem pelos serviços prestados durante a pandemia da Covid-19. O premier Boris Johnson, líderes políticos, sociais e religiosos completaram a lista de presentes.

Em pronunciamento, o arcebispo de York, Stephen Cottrell, mandou uma mensagem para a rainha, que supostamente assistia à cerimônia pela televisão: ele brincou com o amor de Elizabeth pelos cavalos, e se juntou a outros oradores em homenagens à vida e ao reinado da mais longeva monarca do Reino Unido, e a única a celebrar um Jubileu de Platina.

— Sua majestade, sentimos que não esteja conosco pessoalmente nesta manhã, mas você ainda está sobre a sela. E estamos gratos por saber que ainda há muito pela frente — disse o arcebispo. — Obrigado por se manter no curso. Obrigado por ser fiel aos juramentos feitos há 70 anos. Obrigado por nos mostrar como o trabalho e a lealdade importam. Pessoas de todos os credos podem aprender com isso.

Os festejos prosseguem até o domingo, com eventos de rua, corridas de cavalos e um show com grandes artistas e, em uma das etapas mais aguardadas pelos súditos, milhares de piqueniques ao ar livre.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos