Sem máscara, Bolsonaro volta a causar aglomeração neste sábado em Goiânia

·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro causa aglomeração em Goiânia (Foto: Reprodução)
Presidente Jair Bolsonaro causa aglomeração em Goiânia (Foto: Reprodução)
  • Sem máscara, Bolsonaro volta a causar aglomeração neste sábado em Goiânia

  • Em visita a Goiás, presidente abraça apoiadores, inclusive crianças, sem máscara

  • Ele fez uma transmissão ao vivo pelas redes sociais em uma barraca onde parou para tomar caldo de cana

O presidente Jair Bolsonaro voltou a provocar aglomeração, sem máscara, em visita a Goiânia, na manhã deste sábado (28). Em visita ao estado de Goiás, ele parou para tomar caldo de cana em uma barraca, onde abraçou apoiadores, inclusive crianças.

Do local, o presidente fez uma transmissão ao vivo em suas redes sociais, enquanto bebe um caldo de cana em uma barraca localizada em frente a um tempo da igreja Assembleia de Deus.

Leia também:

Ontem, Bolsonaro participou de uma cerimônia militar ao lado do governador do estado, Ronaldo Caiado (DEM), seu aliado. Depois, esteve em uma motociata.

A subprocuradora-geral Lindôra Araújo já defendeu que o presidente não cometeu crime por não usar máscara e por gerar aglomerações. Em resposta ao STF, Lindôra disse que ele não cometeu crime e disse não ser "possível realizar testes rigorosos, que comprovem a medida exata da eficácia da máscara de proteção como meio de prevenir a propagação do novo coronavírus”. 

Ainda segundo a PGR, "embora seja recomendável e prudente que se exija da população o uso de máscara de proteção facial, não há como considerar criminosa a conduta de quem descumpre o preceito".

"Tem que comprar fuzil"

Antes do embarque para Goiás, em conversa com apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro insistiu no seu discurso armamentista e disse que sabe que um fuzil custa caro, mas pede que quem não quer comprar a arma não "encha o saco" de quem quer.

"Tudo que pode fazer por decreto eu fiz, CRAF [Certificado de Registro de Arma de Fogo] está podendo comprar fuzil, CRAF que é fazendeiro compra fuzil, 762. Tem que todo mundo comprar fuzil, pô. Povo armado jamais será escravizado. Sei que custa caro, tem idiota, 'ah, tem que comprar feijão'. Cara, se não quer comprar fuzil, não enche o saco de quem quer comprar", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos