Sem Neymar, Éverton Ribeiro é quem mais se destaca na criação para o Brasil

Em três jogos pela fase de grupos, o Brasil viu três jogadores tentando ocupar o setor de criação da equipe para suprir a ausência de Neymar. E foi Éverton Ribeiro, diante de Camarões, que conseguiu executar melhor o papel. Depois de Paquetá ir mal mais adiantado e Rodrygo ter chance como titular, o meia do Flamengo entregou mais poder de criação nos pouco mais de 35 minutos em campo, mas não foi capaz de evitar a derrota no fim, por 1 a 0.

Com o zero no placar, Ribeiro entrou como um segundo atacante, pressionando a saída de bola de Camarões. Quando o Brasil conseguiu retomar a posse, logo foi ao fundo pela direita e rolou para Militão quase abrir o placar. Em seguida, acionou bem os companheiros em jogadas pelo lado direito.

A todo momento Éverton procurava os companheiros se aproximando para receber e fazer tabelas. Algumas vezes de frente, outras de costas. Sobretudo os pontas e Pedro, com quem joga no clube.

Ainda que tenha criado situações, a entrada de Ribeiro se somou a muitas mexidas no time, e o sistema defensivo ficou comprometido. Bruno Guimarães atuou ao lado de Fabinho e cometeu muitos erros. Depois, Raphinha entrou no lugar de Antony e foi egoísta em uma série de jogadas pela direita.

Para as oitavas de final, a comissão técnica aguarda o retorno de Neymar. Depois da campanha na fase de grupos, ficou claro que nenhum jogador conseguiu substituir o camisa 10 à altura.