Sem parabenizar vencedor, Bolsonaro diz que presidente eleito da Colômbia é ‘ex-guerrilheiro’

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente Jair Bolsonaro chamou o presidente eleito da Colômbia, Gustavo Petro, de "ex-guerrilheiro" do "movimento de esquerda revolucionária". A declaração foi dada em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada nesta segunda-feira. Bolsonaro ainda não se manifestou oficialmente sobre a eleição.

Dia seguinte: Ao prometer 'desenvolver capitalismo', Petro faz aceno à conciliação na Colômbia

Contexto: Ex-guerrilheiro Gustavo Petro apostou em teimosia para se tornar primeiro presidente de esquerda da Colômbia

Vice: Negra e mulher, Francia Márquez quebra paradigmas ao chegar à Vice-Presidência da Colômbia

Petro é o primeiro candidato da esquerda a ser eleito presidente da Colômbia. Na juventude, atuou no grupo guerrilheiro M-19. Bolsonaro, no entanto, errou e afirmou que ele era integrante do MIR (Movimento de Esquerda Revolucionária-Político), que sequestrou o empresário Abílio Diniz, em 11 de dezembro de 1989, em São Paulo.

— É um ex-guerrilheiro do MIR, movimento de esquerda revolucionária.

Bolsonaro deu a declaração criticando uma frase do ex-presidente Lula no final de semana. O petista afirmou que em um ato em Maceió, Alagoas, que em 1998 procurou o então chefe do Executivo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para libertar os sequestradores do empresário Abílio Diniz da prisão. A declaração virou munição para bolsonaristas atacarem o ex-presidente nas redes e o acusarem de defender criminosos.

Bolsonaro disse nesta segunda-feira que Lula tocou no assunto para "dar recado a todos os narcotraficantes e bandidos do Brasil que 'estamos juntos'".

Até agora: Entenda por que a esquerda nunca chegou ao poder na Colômbia

No mundo: Líderes parabenizam Petro por vitória na Colômbia

Vargas Llosa: Escritor espera que Presidência de Petro na Colômbia seja 'apenas um acidente'

Petro foi eleito com mais de 11,2 milhões de votos, superando amplamente os 8 milhões obtidos no segundo turno de 2018, quando foi derrotado pelo presidente Iván Duque.

Segundo dados oficiais, Petro, ex-prefeito de Bogotá e ex-senador, obteve 50,48% do total de votos, derrotando de forma clara seu rival, Rodolfo Hernández, um populista de direita que ficou com 47,26%. A participação eleitoral, num país no qual o voto não é obrigatório, atingiu 57,88%, a mais alta desde meados da década de 1970. No primeiro turno, 54% dos 39 milhões de eleitores colombianos, dos quais 20 milhões são mulheres, votaram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos