Sem provas, Bolsonaro planeja live com hackers para testar urna eletrônica

·3 minuto de leitura
Brazil's President Jair Bolsonaro gives a thumbs up to journalists during a ceremony marking Army Day in Sao Paulo, Brazil, Thursday, April 18, 2019. Brazil's Army Day is officially on Friday, April 19. (AP Photo/Andre Penner)
Na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente disse a apoiadores que já está em contato com "pessoas que entendem do assunto" (Foto: AP Photo/Andre Penner)
  • O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que planeja realizar uma transmissão via redes sociais com hackers para testar a segurança das urnas eletrônicas

  • De olho em 2022, Bolsonaro defende fortemente uma suposta fragilidade no sistema de segurança das urnas; TSE e STF deram prazo para presidente comprovar acusações

  • Bolsonaro disse que "não tem que provar nada" e tem falado que existe uma "articulação" para colocar Lula de volta no Planalto através de fraude no sistema eleitoral

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta sexta-feira (2), que planeja realizar uma transmissão via redes sociais com hackers para testar a segurança das urnas eletrônicas no Brasil.

Na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília, o presidente disse a apoiadores que já está em contato com "pessoas que entendem do assunto".

Leia também:

"Eu pretendo, estou tentando, já fizemos contato com as pessoas que entendem do assunto, são hackers, para fazer uma demonstração pública. Lógico que a televisão não vai mostrar, mas vou fazer uma live", afirmou.

De olho nas eleições de 2022, Bolsonaro vem defendendo fortemente uma suposta fragilidade no sistema de segurança das urnas eletrônicas. Por este motivo, mesmo sem apresentar provas, ele argumenta que as eleições sejam realizadas com o voto impresso — o que ele chama de "auditável".

Segundo ele, houve fraude, inclusive, no pleito de 2018 quando foi eleito. Bolsonaro diz que teria vencido no primeiro turno e não no segundo, como foi feito. 

"Não tenho que provar nada para ninguém"

Até agora, no entanto, o presidente não provou a suposta falha no sistema. No último dia 22, o corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Felipe Salomão, deu 15 dias para a apresentação de evidências de fraudes nas urnas eletrônicas.

Nesta sexta-feira (2), durante a saída do Palácio, Bolsonaro comentou sobre o tema dizendo que "não tem que provar nada para ninguém" e que apresentar "se quiser".

"Não tenho que apresentar provas para ninguém. “Tem que apresentar provas…” Apresento se eu quiser", disse Bolsonaro.

Na semana passada, Salomão abriu um prazo para Bolsonaro e outras autoridades públicas que deram declarações sobre fraudes nas urnas eletrônicas apresentem evidências e informações que corroborem as falas.

O também ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) deu 10 dias, no último dia 24, para que o chefe do Executivo apresentasse provas de suas alegações.

Brazil's former President Luiz Inacio Lula da Silva is carried by supporters in front of the metal workers union headquarters in Sao Bernardo do Campo, Brazil, Saturday, Nov. 9, 2019. Lula is released from prison following a Supreme Court decision late Thursday that a person can be imprisoned only after all appeals to higher courts have been exhausted. He has been detained since April 2018 after being convicted of corruption. (AP Photo/Nelson Antoine)
Durante os discursos a apoiadores, Bolsonaro tem falado que existe uma "articulação" para colocar Lula de volta no Planalto (Foto: AP Photo/Nelson Antoine)

Eleições de 2022 com Lula

Durante os discursos a apoiadores, Bolsonaro tem falado que existe uma "articulação" para colocar Lula de volta no Planalto. Segundo ele, isso aconteceria através de fraude no sistema eleitoral.

"O que um candidato aí está fazendo?", disse, sem citar o nome de Lula. "Ele está reunindo alguns líderes partidários já loteando o futuro governo dele. Daí os caras começam a trabalhar contra o voto auditável. Esse cara só chega na fraude".

A última pesquisa eleitoral Datafolha mostra que o ex-presidente Lula (PT) é o favorito para a eleição presidencial de 2022. Segundo o levantamento, o petista aparece com 41% das intenções de voto no primeiro turno. Jair Bolsonaro (sem partido), em seguro lugar, tem 23%.

  • Lula: 41%

  • Bolsonaro: 23%

  • Sergio Moro: 7%

  • Ciro Gomes: 6%

  • Luciano Huck: 4%

  • João Doria: 3%

  • Luiz Henrique Mandetta: 2%

  • João Amoedo: 2%

  • Branco/nulo/nenhum: 9%

  • Não sabe: 4%

O levantamento foi feito com 2.071 pessoas de forma presencial entre os dias 11 e 12 de maio, em 146 municípios de todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Segundo turno

Em um eventual segundo turno entre Lula e Bolsonaro, o petista também tem vantagem e venceria com 55% contra 32% do atual presidente da República.

Lula também venceria Moro: 55% contra 33%. João Doria também perderia para o petista: 57% para Lula e 21% para o tucano.

Rejeição

O presidente Jair Bolsonaro lidera o índice de rejeição com 54%, enquanto Lula aparece em segundo, com 36%.

  • Bolsonaro: 54%

  • Lula: 36%

  • João Doria: 30%

  • Moro: 26%

  • Ciro Gomes: 24%

  • Mandetta: 17%

  • João Amoedo: 16%

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos