Sem relação comprovada, ministros visitam família de criança que teve reação após vacina

·2 min de leitura
Sem relação comprovada, ministros visitam família de criança que teve reação após vacina
Sem relação comprovada, ministros visitam família de criança que teve reação após vacina (Foto: Getty Images)
  • Sem relação comprovada, ministros visitam família de criança que teve reação após vacina

  • Presidente Jair Bolsonaro (PL) falou com a família por telefone

  • Análise do evento adverso contou com a participação de dez especialistas

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, foram na quinta-feira (20) para Botucatu (SP) visitar a família da criança que teve uma parada cardíaca no mesmo dia em que foi vacinada contra a covid-19 com o imunizante da Pfizer.

Parabenizo o Marcelo Queiroga pela iniciativa da visita e das reuniões presenciais em Botucatu. Obrigada a todos na cidade pelo acolhimento. O Ministério dos Direitos Humanos continuará acompanhando com o MS o caso, toda a fase de exames, avaliações e diagnósticos. Que Deus abençoe nossa linda menina”, escreveu Damares em sua conta no Twitter.

Ela disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro (PL) falou com a família por telefone. “Desejamos que a menina saia logo do hospital, volte para casa e que fique bem”, acrescentou ela.

Investigação feita pelo governo de São Paulo concluiu que o acontecimento não teve relação com a vacina.

A análise do evento adverso após a garota receber o imunizante contra a covid-19 contou com a participação de dez especialistas.

"Não existe relação causal entre a vacinação e o quadro clínico apresentado, portanto, o evento adverso pós-vacinação está descartado", diz a nota. Segundo a conclusão da análise, a criança possuía uma doença congênita rara, ainda desconhecida pela família, o que desencadeou o quadro clínico.

Ainda em nota, a Secretaria de Estado da Saúde reforçou a importância da vacinação e reafirmou que todas os imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) “são seguros e eficazes”.

Entenda o que aconteceu

A prefeitura do município de Lençóis Paulista suspendeu na quarta (19) a vacinação infantil contra a covid-19 após uma criança de 10 anos sofrer uma parada cardíaca.

O incidente ocorreu 12 horas depois da garota ser vacinada com a versão pediátrica do imunizante da Pfizer.

A Anvisa liberou a vacinação de crianças de 5 a 11 anos com a Pfizer em dezembro. Hoje, a agência regulatória aprovou o uso da CoronaVac em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos