Semanas antes de desaparecer, Dom Phillips visitou indígenas para falar sobre ameaças de invasores; veja vídeo

Semanas antes de desaparecer, o jornalista inglês Dom Phillips esteve na aldeia Apiwtxa para entender os conflitos e a cultura do povo indígena Ashaninka. A visita foi motivada pela escrita do seu novo livro sobre o meio ambiente, que trata sobre o protagonismo dos povos tradicionais na preservação da Amazônia. Philips e o o indigenista Bruno Araújo Pereira, servidor da Funai, não são vistos desde o último domingo.

Veja também: 'Quero saber se ele atira bem', teria dito suspeito de desaparecimento de servidor da Funai

Acompanhe: Preso, suspeito de envolvimento no desaparecimento de jornalista e indigenista volta a depor nesta quarta

Em um pequeno trecho do vídeo, compartilhado no perfil do povo Ashaninka, o jornalista diz que as terras indígenas são os lugares mais protegidos da Amazônia e, por esse motivo, ele teria pedido para ir até o local conhecer como as comunidades se organizavam contra invasores e garimpeiros.

“As terras indígenas são os lugares mais protegidos na Amazônia. Então eu pedi para vir para cá para entender como vocês se organizam. Vim para acompanhar um pouco disso e aprender um pouco com vocês sobre como é essa cultura, como lidam com as ameaças de invasores e garimpeiros. E agora estou fazendo um livro para uma editora inglesa, sobre essa questão da preservação da Amazônia. Uma parte muito importante desse livro é a proteção dos povos indígenas e o seu protagonismo”, disse Dom Phillips na gravação.

Olimpíada de matemática: Alunos vazam gabaritos da OBMEP e fazem memes de questão envolvendo o Pinóquio

Descubra: Questão da OBMEP sobre Pinóquio viraliza: afinal, o personagem mentiu sobre chapéu?

O povo Ashaninka é composto por cerca de 800 pessoas que vivem na terra indígena Kampa, localizada no Rio Amônia, município de Marechal Thaumaturgo, no Acre.

Dom Phillips: Veja a última foto enviada à família por jornalista inglês desaparecido na Amazônia

A terra foi demarcada e homologada em 1992 e abrange 87.205 hectares. Ela faz fronteira com o Peru, com a Reserva Extrativista do Alto Juruá e com a Terra Indígena Arara do Rio Amônia, todos localizados no município de Marechal Thaumaturgo.

No perfil da comunidade, os indígenas pediram ações efetivas nas buscas pelo jornalista e indigenista desaparecidos há três dias.

— Externamos aqui nossa profunda preocupação com o seu desaparecimento, junto com o indigenista Bruno Araújo, pedimos total celeridade nas buscas — escreveram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos