Sempre acreditei na vacina, diz Tarcísio ao inaugurar museu no Butantan

*ARQUIVO* SAO PAULOS/ SP, BRASIL, 19-10-2022: Tarcísio de Freitas e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro,  articipam do evento, encontro Aliança Pela Vida, no Espaço Immensità.   (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULOS/ SP, BRASIL, 19-10-2022: Tarcísio de Freitas e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, articipam do evento, encontro Aliança Pela Vida, no Espaço Immensità. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ao inaugurar o Museu da Vacina no Butantan, em São Paulo, o governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) fez defesa das vacinas, chamou Zé Gotinha ao palco e pregou o combate contra fake news nesta terça-feira (7).

A postura destoa do discurso do governo Jair Bolsonaro (PL), do qual Tarcísio foi ministro de Infraestrutura, e é mais um sinal do processo de "desbolsonarização" do mandatário paulista.

Símbolo nacional das campanhas de vacinação, Zé Gotinha foi deixado de lado pelos bolsonaristas, e o próprio Bolsonaro chegou a se referir à Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac e o Instituto Butantan, como "vachina".

Nesta terça, Tarcísio se referiu ao personagem como "a figura mais simpática de qualquer campanha de vacinação".

"Eu olho para frente, sempre acreditei na vacina. Me vacinei, postei nas redes para dar exemplo, estamos estimulando todas as ações da campanha de vacinação", afirmou o governador.

"Meu desejo é ver mãe vacinando seus filhos, ver idosos se vacinando. É ver a cobertura vacinal aumentando, e a nossa população imunizada", completou Tarcísio.

Em fevereiro, ele sancionou um projeto de lei -668/2021- que proíbe a exigência de apresentação do comprovante de vacinação contra a Covid-19 para acesso a locais públicos ou privados em qualquer parte do estado.

O texto é de autoria de um grupo de deputados bolsonaristas formado por Janaína Paschoal (PSL), Altair Moraes (Republicanos), Carlos Cezar (PSB), Castello Branco (PSL), Coronel Nishikawa (PSL), Coronel Telhada (PP), entre outros.

Agora, o estado de São Paulo anunciou um repasse de R$ 46,6 milhões para auxiliar os 645 municípios a imunizar a população, o equivalente a R$ 1 para cada habitante.

Nesta terça no Butantan, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) agradeceu pelos R$ 12 milhões destinados para a capital.

A prioridade é elevar os níveis de cobertura vacinal, sobretudo das doses que compõem o calendário básico. Entre elas estão os imunizantes contra poliomielite, meningite meningocócica conjugada, tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), febre amarela, pentavalente (difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo b), hepatite b e doenças invasivas causadas pelo hemófilo b, varicela, HPV, BCG (tuberculose) e Covid-19.

"Infelizmente, desde 2015, estamos sofrendo uma queda, já fomos referência no mundo, com índices acima de 90%, e estamos 70%, 80%", afirmou o secretário estadual da Saúde, Eleuses Paiva,

No Butantan, Eleuses e o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Luiz Carlos Zamarco, ambos com mais de 60 anos, tomaram a dose bivalente contra a Covid.

**COMBATE A FAKE NEWS**

No Museu da Vacina, com área de 550 metros quadrados, o público poderá visualizar as etapas da pesquisa científica de uma vacina, conhecer as plataformas tecnológicas, o funcionamento do sistema imune e de memória imunológica do corpo humano e a reação do organismo vacinado, além de outras atividades interativas. Foram investidos R$ 13 milhões em obras e expositores.

Tarcísio também anunciou o lançamento do portal Vacina 100 Dúvidas, que reúne as cem perguntas e respostas sobre imunização mais frequentes de acordo com os site de buscas na internet.

"Vamos erradicar a fake news", afirmou Tarcísio. "É uma campanha de erradicação de fake news, para que todos tenham confiança na vacina e saibam que é um instrumento poderoso para mitigação de riscos e promoção da saúde."

O governador também se comprometeu com medidas que vão garantir transparência na gestão da Fundação Butantan. Como entidade privada, a fundação tem se negado a prestar informações de sua administração, algo que vinha sendo questionado desde o início do governo João Doria.

Na ocasião, o Ministério Público passou a investigar compras de respiradores com verba do instituto. O governo nega.

"Vamos adotar em todas as instituições, seja administração direta ou indireta, até mesmo as fundações de direito privado mecanismos de transparência utilizando a tecnologia da informação. Vamos impulsionar o Portal de Transparência, porque a transparência é a melhor forma para evitar corrupção", disse Tarcísio.

Em novembro do ano passado, o então governador Rodrigo Garcia (PSDB) determinou que a Controladoria Geral do Estado apurasse possíveis irregularidades em contratos sem licitação feitos pela Fundação Butantan com uma empresa fornecedora de software, a SAP Brasil Ltda. Tais acordos somam R$ 161 milhões e, segundo a análise dos técnicos do órgão, há riscos de superfaturamento nesse processo.

**STATUS DA COBERTURA VACINAL NO ESTADO DE SÃO PAULO**

o BCG: 79,3%;

o Meningo C: 75,5%;

o Pentavalente: 74%;

o Poliomielite: 74,4%;

o HPV: Para meninas, 78,1% para primeira dose e 59,6% para segunda dose; em meninos 58,4% para primeira dose e 39,2% para segunda dose;

o Febre Amarela: 64%;

o Varicela: 76,1%;

o Tríplice Viral: 76,1% para primeira dose e 62,6% para segunda dose.

**SERVIÇO - MUSEU DA VACINA**

Endereço: Avenida Vital Brasil, 1.500 – Butantã

Funcionamento: de terça a domingo, das 9h às 16h45

Ingressos: R$6 adultos; R$2,50 estudantes; crianças até 7 anos, idosos e alunos de escolas públicas em grupo agendado e pessoas com deficiência não pagam

Telefone: (11) 2627-9536

Classificação: livre