Senado aprovará moção que pede a países do G20 doação de vacinas excedentes

Paulo Cappelli
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O Senado aprovará por ampla maioria, nesta terça-feira, uma moção que pede a países do G20, grupo de nações mais ricas do mundo, que doem o excedente de vacinas contra Covid-19. Já assinado por 65 senadores, o texto afirma que 'o Brasil se tornou o epicentro mundial da pandemia'. No documento, parlamentares afirmam que o país precisa "urgentemente vacinar no mínimo 1/3 dapopulação brasileira', o que equivaleria a receber 100 milhões de doses no curto prazo.

"O país reclama atenção emergencial do mundo. Nosso ritmo de imunização é insuficiente para conter a propagação da doença. Até o momento, cerca de 5% dos 210 milhões de brasileiros foram vacinados. Dependemos de vacinas e insumos farmacêuticos ativos (IFA) importados, que chegam em ritmo lento, se comparado ao desafio posto pela segunda e devastadora onda da pandemia no Brasil", diz trecho da moção.

"Nesta crise sanitária sem precedentes que atinge o mundo, barreiras fronteiriças não nos podem proteger da propagação do vírus e do surgimento de possíveis variantes. A única defesa é a cooperação internacional, com a vacinação urgente de nossa população. As últimas duas semanas no Brasil foram caracterizadas por um aumento crescente da média móvel de mortes pela covid-19, pelo colapso do sistema de saúde", apela o documento.

O senador Paulo Paim (PT-RS) afirma que, como a epidemia é global, os países mais desenvolvidos teriam interesse em contribuir com aqueles mais necessitados.

— Esperamos que a comunidade internacional entenda movimento que o Brasil passa e nos socorra com as vacinas, até porque o vírus não respeita fronteiras. Tem países como os Estados Unidos que, até onde sabemos, têm mais que o dobro de excedente no estoque. Consequentemente não há porque não atenderem países que mais precisam.