Senado chega a acordo sobre ligação de Trump durante invasão e evita atraso do impeachment

Richard Cowan e David Morgan e Makini Brice
·1 minuto de leitura

Por Richard Cowan e David Morgan e Makini Brice

WASHINGTON (Reuters) - Democratas e republicanos do Senado evitaram um julgamento prolongado do impeachment de Donald Trump ao chegarem a um acordo neste sábado para entrar em detalhes das evidências dos comentários do ex-presidente em uma ligação com um líder republicano durante a invasão ao Capitólio, que resultou em mortes.

O acordo aconteceu depois de uma votação caótica para permitir testemunhas durante o julgamento, o que poderia ter adiado a sua conclusão em semanas, aprofundado as divisões e frustrado os esforços do presidente Joe Biden de deixar as controvérsias do seu antecessor para trás.

O Senado, os advogados de Trump e parlamentares da Câmara exercendo a função de promotores concordaram que um depoimento da deputada republicana Jaime Herrera Beutler sobre a ligação telefônica entre Trump e um líder republicano da Câmara, Kevin McCarthy, seria admitido como evidência.

“Bom, Kevin, eu acho que essas pessoas estão mais incomodadas com a eleição do que vocês”, teria dito Trump, segundo Beutler, em uma ligação telefônica durante o ataque.

Herrera Beutler está entre os dez republicanos da Câmara que votaram mês passado a favor do impeachment de Trump, tornando-o o único presidente da história dos Estados Unidos a sofrer dois impeachments.

((Tradução Redação Brasília, 55 61 3329 6330))

REUTERS TR BB