Senado dos EUA pede à Polônia que resolva assunto de bens judeus confiscados por nazista

Primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki (E), junto ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (D), na Polônia, em 14 de fevereiro de 2019

Senadores americanos pediram ao secretário de Estado, Mike Pompeo, que ajude a Polônia a resolver de uma vez a questão das indenizações a judeus por expropriação ilegítima de seus bens pelos nazistas, o que despertou elogios de grupos judeus, mas que poderá afetar a relação com o governo pró-americano do presidente polonês Andrzej Duda.

Por meio de uma carta assinada por 88 dos 100 integrantes do Senado, os legisladores pediram na segunda-feira a Pompeo para que ele "atue com audácia" para pôr fim ao tema há décadas sem solução.

"Nas décadas desde a queda da cortina de ferro, os judeus de origem polonesa sobreviventes do Holocausto e suas famílias assim como outros acharam que era praticamente impossível reivindicar ou buscar compensação pelas propriedades nacionalizadas pelo regime comunista polonês", escreveram, em referência a propriedades que foram confiscadas antes pelos nazistas durante a guerra.

Dos 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas, cerca de três milhões tinham origem polonesa, e constituíam 90% da população judia da Polônia naquele momento.

O governo polonês considera que o assunto da restituição aos judeus está fechado "definitivamente" e que a lei americana de 2017, que exige que o Departamento de Estado supervisione o progresso de Varsóvia nessa matéria, não tem nenhum efeito no país.