Senado dos EUA rejeita pacote de estímulo trilionário de Donald Trump contra coronavírus

O Globo, com agências internacionais

WASHINGTON — Após uma série de negociações ininterruptas entre Executivo e Legislativo, o Senado dos EUA não aprovou, novamente, o pacote proposto pelo governo Donald Trump que injetaria cerca de US$ 1,6 trilhão na economia americana por meio de programas de ajuda para empresas que estão perdendo negócios durante a pandemia de coronavírus.

A proposta do governo fracassou porque recebeu 49 votos a favor e 46 contra, enquanto precisa de, pelo menos, 60 aprovações. Democratas e republicanos discordam sobre as destinações dos financiamentos.

A ala democrata, de oposição ao governo, acusa a medida de favores apenas as grandes empresas dos EUA, enquanto a quantidade de ajuda a hospitais, estados e trabalhadores desempregados fica em segundo plano.

O senador republicano John Trune afirmou que a medida não foi aprovada por conta de questões políticas:

— O país está em chamas e o seu lado quer ficar de jogos políticos — disse Trune em relação aos democratas.

Em resposta, os democratas disseram que estavam perto de um acordo com os republicanos e previram que uma versão modificada ganharia aprovação em breve.

— Respire fundo. Vamos aprovar essa lei — disse o senador democrata Dick Durbin.

O projeto representa um terceiro esforço do Congresso para atenuar o impacto econômico da pandemia que matou pelo menos 428 pessoas nos Estados Unidos e adoeceu mais de 34 mil, levando os governadores a ordenar que quase um terço da população do país fique em casa e colocando grande parte dos negócios em quarentena.

A medida do pacote, por ora rejeitado no Senado, inclui ajuda financeira para americanos comuns, pequenas empresas e indústrias afetadas, incluindo companhias aéreas.

Nancy Pelosi, a presidente da Câmara dos EUA, disse que espera levar os parlamentares à Washington para votar na versão dos democratas do projeto de estímulo ao coronavírus. A maioria dos membros da Câmara deixou a cidade em 14 de março, enquanto o Senado estava em sessão, negociando mudanças em uma versão republicana do projeto de lei.

— Vamos ver o que vamos fazer... essa é a nossa esperança — disse Pelosi quando perguntada se os membros da Câmara voltarão para discutir a versão democrata. — E veremos o que o Senado fará.