Senado pediu reforço de segurança a polícia do DF, mas foi ignorado

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Secretaria de Polícia do Senado Federal entrou em contato no sábado (7) com a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal para pedir um reforço policial em torno do Parlamento.

O órgão já tinha recebido informações de que bolsonaristas criminosos e golpistas, acampados em frente ao Exército, preparavam uma invasão à Casa. E entrou em alerta máximo.

O reforço seria fundamental já que nem o Senado nem a Câmara dos Deputados dispõem de um efetivo numeroso para conter os criminosos.

A reportagem apurou que o pedido foi solenemente ignorado, e que nada foi feito pelo Governo do Distrito Federal.

As presidências do Senado, da Câmara dos Deputados e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já foram informados sobre o episódio.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), foi um apoiador de Jair Bolsonaro (PL) enquanto o capitão reformado ocupou a Presidência da República do Brasil.

A secretaria deve emitir uma nota oficial sobre o episódio.

Manifestantes golpistas entraram na Esplanada dos Ministérios na tarde deste domingo (8), invadiram áreas do Congresso, do Planalto e do STF (Supremo Tribunal Federal), espalharam atos de vandalismo em Brasília e entraram em confronto com a Polícia Militar.

A ação de apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) ocorre uma semana após a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), antecedida por atos antidemocráticos insuflados pela retórica golpista do ex-presidente no período eleitoral.