Senador da CPI confronta empresário bolsonarista por ataque homofóbico e ouve pedido de desculpas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  25-06-2019, 12h00: O senador Fabiano Contarato (REDE-ES), durante entrevista à Folha, em seu gabinete no senado federal. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 25-06-2019, 12h00: O senador Fabiano Contarato (REDE-ES), durante entrevista à Folha, em seu gabinete no senado federal. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) confrontou o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury, que presta depoimento nesta quinta-feira (30), por um ataque homofóbico contra o parlamentar nas redes sociais.

Contarato ainda pediu que a polícia legislativa recolha os prints da postagem para investigar denúncia de homofobia, o que foi aceito pelo vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

Em suas redes sociais, Fakhoury republicou um tweet de Fabiano Contarato, no qual o parlamentar comete um erro de grafia. E em seguida o critica mencionando a sua orientação sexual.

"O delegado, homossexual assumido, talvez estivesse pensado no perfume de alguma pessoa ali daquele plenário. Quem seria o 'perfumado' que lhe cativou", escreveu Fakhoury.

Contarato então, sentado na cadeira da presidência da comissão, confrontou o empresário, que havia feito anteriormente um discurso em defesa da família, da moralidade.

"O senhor fala da família, mas a minha família não é pior do que a sua", afirmou o parlamentar.

"Eu tenho minha vida modesta, com muito orgulho, cuidando com meu esposo dos meus dois filhos", completou.

O parlamentar em seguida questionou se esse é o comportamento do depoente fora das redes sociais.

"Se o senhor faz isso com um senador da República, imagina o que faz em um país que mais mata homossexuais", que na sequência citou o famoso discurso "Eu tenho um sonho", de Martin Luther King.

"Eu sonho em um dia em que não vou ser julgado por ser homossexual, que meus filhos não sejam julgados por serem negros, que minha irmã não seja julgado por ser mulher".

O parlamentar recebeu o apoio de outros membros da comissão, tanto da oposição como governistas.

"Lamentável ler isso. E digo para o senhor que está na sua frente que disse que teria orgulho de ser brasileiro. Eu tenho vergonha de que você seja brasileiro", afirmou Marcos do Val (Podemos-ES)

Fakhoury depois se desculpou de sua postagem.

"Senador, realmente, o meu comentário foi infeliz, foi em tom de brincadeira. Porém é uma brincadeira de mau gosto. Eu respeito a sua família, como respeito a minha. Tenho amigos, de todos os lados, de preferências sexuais", afirmou.

"Eu declaro que meu comentário não teve intenção de lhe ofender. Sei que, se ofendeu, ofendeu profundamente. Peço desculpas. Me retrato desse comentário", completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos