Senador nega apoio a Bolsonaro por ele ter defendido mandante de assassinato de sua mãe

Rodrigo Santos Cunha. Foto: Itawi Albuquerque/Futura Press

Senador mais votado de Alagoas, Rodrigo Cunha (PSDB) negou oficialmente apoio a Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno. O motivo é o apoio de Bolsonaro ao mandante do assassinato de sua mãe, Ceci Cunha, Talvane Albuquerque no passado.

Ceci Cunha é vítima de um dos crimes políticos mais notórios do país. Eleita deputada federal por Alagoas, ela e mais três pessoas de sua família foram assassinados a mando de Talvane Albuquerque que era o seu suplente na Câmara dos Deputados. As vítimas foram mortas a tiros no bairro da Gruta, em Maceió (AL) após Ceci Cunha ser diplomada em dezembro de 1998.

Investigações apontaram Talvane Albuquerque como mentor intelectual do crime. Ele acabou tendo o mandato de deputado federal cassado e foi preso posteriormente. Um dos poucos congressistas a votar contra a cassação foi Jair Bolsonaro. Em carta aberta publicada em seu perfil no Facebook, Rodrigo Cunha nega apoio aos dois presidenciáveis e —sem citar nominalmente Bolsonaro— diz que uma candidatura propõe soluções extremas que fragilizam a democracia. “Como todos sabem, fui vítima da violência, mas nem por isso me associei a uma linha de pensamento propagadora do extremismo como instrumento de pacificação e como meio ameaçador da convivência plural entre os mais diversos segmentos da sociedade”, diz trecho da postagem.

Na defesa que fez de Talvane Albuquerque, Bolsonaro argumenta: ‘Quero saber aqui quem nunca teve contato com um marginal’. Em entrevista concedida pouco tempo depois, Bolsonaro já reconhece que Talvane Albuquerque foi mandante do crime, mas sugere que Ceci Cunha teria participado de algum esquema de venda de partido. Ele também alegou que Ceci Cunha era “tida como santa” por ter sido assassinada.