Lula indica senador Prates para CEO da Petrobras

Logo da Petrobras na fachada da sede da empresa, no Rio de Janeiro

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva indicou nesta sexta-feira o senador Jean Paul Prates (PT-RN) para comandar a Petrobras em seu governo, mesmo diante dúvidas sobre sua elegibilidade ao cargo.

Lula destacou, em mensagem no Twitter, que Prates é "advogado, economista e um especialista no setor de energia, para conduzir a empresa para um grande futuro".

O senador, que se reuniu com Lula e divulgou uma nota antes mesmo do tuíte do presidente eleito, disse que recebeu "hoje a missão de comandar a Petrobras pelos próximos anos".

"Muito me honra a escolha do Presidente Lula que coloca sobre mim a responsabilidade de conduzir uma empresa que é patrimônio de todos os brasileiros", afirmou ele em nota.

No comunicado, ele acrescentou que, após a posse do novo governo, haverá pela frente um "processo burocrático, estabelecido pela legislação e pelos sistemas de governança da Petrobras", até que ocorra a formalização do seu nome como presidente da companhia.

"Nesta oportunidade, terei a chance de me dirigir ao Conselho da empresa e à sociedade em geral para apresentar de forma detalhada nossos planos para a empresa", disse.

O nome de Prates chegou a ser divulgado na semana passada pelo coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e integrante do governo de transição, Deyvid Bacelar.

Na véspera, o futuro ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, havia dito que Lula estava sendo "muito cauteloso" com a decisão sobre o comando da Petrobras, em razão de questionamentos ligados à Lei das Estatais e ao processo interno da empresa para mudanças da diretoria.

Com mais de 25 anos de atuação no setor energético, Prates tem defendido que a Petrobras eleve seus investimentos em renováveis, em linha com outras petroleiras globais, e também na área de refino, em busca de segurança energética.

O senador também tem questionado a política de preços da Petrobras, que está atualmente alinhada às práticas do mercado internacional.

Ele disse nesta sexta-feira que a política de preços de combustíveis do país irá mudar no governo Lula, mas ressaltou que isso não significa descolar totalmente os valores pela estatal dos praticados no mercado internacional.[nL1N33K18Y]

Prates sucederá Caio Paes de Andrade no principal cargo da petroleira. O mandato de Andrade vai até abril de 2023, mas há expectativa de uma saída antecipada do executivo, depois de ele ter aceitado um convite do governador eleito de São Paulo, Tarcísio de Freitas, para compor o governo paulista no próximo ano.

A Petrobras disse em nota que não foi comunicada formalmente da indicação de Prates para a presidência da companhia.

"Seguindo os trâmites usuais de indicação de administradores da companhia, o nome do indicado deverá passar pelos procedimentos internos de governança da Petrobras", disse a empresa.

A petroleira ressaltou que a aprovação de Prates e demais membros da nova diretora dependerá da aprovação pelo Conselho de Administração, nos termos da Lei e do Estatuto Social da companhia.

(Por Lisandra Paraguassu)