Senador do PT pede que Piquet seja investigado por declaração sobre morte de Lula

O presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, senador Humberto Costa (PT-PE), enviou um ofício ao Ministério Público do Distrito Federal pedindo a investigação do ex-piloto da Fórmula 1, Nelson Piquet, por falar “e o Lula lá no cemitério” em vídeo publicado nas redes sociais.

Alckmin sobre primeira reunião com governo Bolsonaro: 'Conversa foi bastante proveitosa. Muito objetiva'

Malu Gaspar: Aliados de Lula desencadeiam operação anti-Lira nos bastidores

No vídeo que circula nas redes, Piquet está na rua, no que parece ser uma manifestação de bolsonaristas, e é interpelado por um homem de verde e amarelo. O homem apresenta o ex-piloto, que diz:

— Vamos botar esse Lula filha de uma puta para fora disso…

Quando o homem repete o lema de Jair Bolsonaro “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, Piquet completa:

— E o Lula lá no cemitério, filha de uma puta.

Veja também: Bolsonaristas oram por ‘derrota’ de Lula em frente a quartel, em SP

Leia: Moraes chama atos de 'ilícitos, antidemocráticos e criminosos' e garante que não há como contestar resultados

No pedido, o senador diz que a fala do ex-piloto foi de “extrema gravidade” e que além de ofensiva “chega ao absurdo de sugerir que a vida de Lula fosse ceifada”. Costa pede investigação sobre possível injúria ou ameaça.

“Infelizmente, pode-se extrair da conduta perpetrada pelo ex-piloto no citado vídeo que há uma vontade deliberada de ofender, agredir, o que externa o ódio que foi disseminado em nosso país nos últimos tempos. No entanto, há que se ponderar que mesmo diante de posições políticas díspares deve-se prevalecer o indispensável respeito, o que não foi observado pelo ex-piloto que preferiu o caminho do ataque aviltante e afrontoso, inclusive com uma clara ameaça à vida do ofendido”, apontou o senador.

Piquet é apoiador do atual presidente e candidato derrotado nas eleições deste ano, Jair Bolsonaro. O ex-piloto chegou a fazer campanha e doar para o partido de Bolsonaro durante as eleições.