Maduro diz que pegará em armas se governo oferecer riquezas a "gringos"

Caracas, 2 mai (EFE).- O presidente da Venezuela e candidato à reeleição, Nicolás Maduro, disse nesta quarta-feira que está disposto a pegar em armas e fazer uma "revolução armada" se "algum dia" chegasse ao poder um governo que "pretenda entregar as riquezas" do país aos "gringos".

"E, se algum dia chegasse um governo que pretenda entregar as riquezas, eu seria o primeiro que daria um grito e tomaria um fuzil para fazer revolução armada com o povo se fosse necessário. Seria o primeiro que faria isso e convocaria o povo às armas, porque aqui há dignidade", disse Maduro em um ato de campanha.

No ato no estado litorâneo de Vargas, Maduro indicou que é preciso defender o país e que "ninguém pode crer-se com o poder de oferecer as riquezas da Venezuela aos gringos".

"Me nego, me nego mil vezes ", acrescentou.

Nesse sentido, Maduro acusou o candidato Henri Falcón de querer entregar o país aos "gringos" e às "oligarquias europeias".

Além disso, reiterou seu pedido por dez milhões votos nas eleições do próximo dia 20 de maio e instou a população a apoiá-lo com concentrações para dar uma "resposta nas ruas". EFE