Senadora aponta erros e fala em documentos 'fajutos' apresentados pelo governo Bolsonaro

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que os documentos de importação da vacina Covaxin apresentados pelo governo em uma entrevista coletiva em 23 de junho deste ano são fajutos.

Ela apontou uma série de erros, como de inglês, para dizer que houve fraude e que esses documentos jamais deveriam ter tramitado no Ministério da Saúde. O mais grave, porém, eram dados que poderiam elevar o preço pago pela pasta.

Os documentos foram exibidos no mês passado pelo ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Onyx Lorenzoni, e pelo ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Elcio Franco.

Ela pôs em dúvida sobre quem fez o documento, uma vez que a Madison, empresa subsidiária do laboratório indiano Bharat Biotech, que desenvolveu a Covaxin, não cometeria esse erros, como escrever "Brazil" em inglês e "aeroporto" em português. E lançou suspeitas sobre a Precisa Medicamentos, a empresa brasileira parceira da Bharat Biotech no Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos