Senadores entregam relatório da CPI a Augusto Aras nesta quarta-feira

·2 min de leitura
Brazilian Senator Renan Calheiros look on before a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic at the Federal Senate in Brasilia, Brazil, October 20, 2021. REUTERS/Adriano Machado
Relatório de Renan Calheiros pede o indiciamento de 78 pessoas, como o presidente Jair Bolsonaro, e duas empresas (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Senadores vão entregar relatório final da CPI da Covid ao PGR Augusto Aras

  • Relatório foi aprovado na última terça-feira por 7 a 4

  • Documento aponta 80 indiciados, sendo 78 pessoas e duas empresas

Um dia depois da aprovação do relatório final da CPI da Covid no Senado, o grupo vai entregar o documento para o procurador-geral da República, Augusto Aras. Nesta quarta-feira (27), senadores irão até a PGR e a ideia é cobrar os 80 pedidos de indiciamento listados no relatório.

No total, o documento pediu o indiciamento de 78 pessoas, entre elas o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e duas empresas, a VTCLog e a Precisa Medicamentos. Também estão na lista os três filhos mais velhos do presidente, Flavio, Carlos e Eduardo Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o ex-ministro Eduardo Pazuello, além de ativistas bolsonaristas, como Luciano Hang, e médicos da Prevent Senior.

Segundo informações do portal Metrópoles, os senadores pretendem cobrar a PGR por ações relacionadas ao relatório. Eles devem esperar entre 15 e 30 dias para terem respostas de ações penais e também sobre a análise do documento. Caso não haja nenhum posicionamento do órgão, existe a possibilidade de os membros da CPI acionarem diretamente o Supremo Tribunal Federal.

“Quero acreditar que o senhor Augusto Aras é procurador-geral da República antes de ser aliado de quem quer que seja. Esperamos que ele atue como procurador-geral. Se não o fizer, existem outros caminhos no Código de Processo Penal do nosso país para levarmos o relatório à frente. A CPI termina hoje, mas essa história não acaba aqui”, afirmou Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI. Randolfe garantiu que os senadores vão exigir que as responsabilidades sejam apuradas pela PGR.

Nesta quarta, há a expectativa de que os membros da CPI da Covid se reúnam com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para entregar uma cópia do relatório final. Além dos indiciamentos, o documento também tem propostas legislativas, que precisam tramitar no plenário da casa.

Aprovação do relatório final

A CPI da Covid-19 no Senado aprovou, na noite desta terça-feira (26), o relatório final da investigação promovida sobre a condução da pandemia do coronavírus no Brasil. O texto de 1.180 páginas foi elaborado pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL) e atribui ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a prática de 9 crimes na pandemia.

No placar final, o relatório foi aprovado por 7 a 4. Ao todo, 11 senadores votaram.

Como cada senador da CPI votou sobre o relatório:

Votaram a favor:

  • Omar Aziz (PSD-AM)

  • Renan Calheiros (MDB-AL)

  • Randolfe Rodrigues (Rede-AP)

  • Tasso Jereissati (PSDB-CE)

  • Eduardo Braga (MDB-AM)

  • Otto Alencar (PSD-BA)

  • Humberto Costa (PT-PE)

Votaram contra:

  • Marcos Rogério (DEM-RO)

  • Jorginho Mello (PL-SC)

  • Eduardo Girão (Podemos-CE)

  • Luis Carlos Heinze (PP-RS)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos