Senadores que criticaram orçamento secreto foram beneficiados com R$ 21,5 milhões de emendas de relator

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA - Pelos menos dois parlamentares da oposição que já criticaram publicamente o orçamento secreto, por meio do qual congressistas destinaram recursos da União sem serem identificados, foram beneficiados pelas chamadas emendas de relator, como também é conhecido o instrumento de repasse de verbas sem transparência. São eles o petista Humberto Costa (PE), que indicou R$ 15 milhões, e o deputado federal pelo PDT de Minas Gerais, Mario Heringer, responsável pela destinação de R$ 6,5 milhões.

Um dos senadores mais combativos da Casa, Humberto Costa (PT-PE) se manifestou em ao menos seis ocasiões para criticar o orçamento secreto A assessoria de imprensa do parlamentar afirma, porém, que o montante indicado pelo petista jamais foi executado.

Em 9 de maio do ano passado, Costa criticou o que chamou de “nova política de Bolsonaro” de distribuir “R$ 3 bilhões para aliados por debaixo dos panos num esquema que envolve um orçamento secreto para fins suspeitos”. Em novembro, comemorou a decisão liminar da ministra Rosa Weber de suspender as execuções das emendas de relator: “É uma vitória do interesse público contra a barganha”, pontuou na ocasião.

Costa fez novas publicações neste ano. Em março, publicou em suas redes sociais: “Tem rachadinha, escândalo da vacina, tráfico de influência, os filhos comprando mansões, orçamento secreto nas mãos do centrão, mas tem gente que ainda acredita que no governo Bolsonaro não tem corrupção. Melhor acreditar logo no Papai Noel e no coelhinho da Páscoa também, né?”. No mês seguinte, ele voltou a criticar a falta de transparência no Ministério da Defesa. Conforme revelou O GLOBO, a pasta destinou mais de R$ 400 milhões em emendas secretas para municípios país afora.

No ano passado, logo após vir à tona a divisão de recursos do erário por meio do orçamento secreto, o então ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que comanda uma das pastas que mais executou emendas de relator, abordou o caso de Humberto Costa. No Twitter, ele lembrou que o petista indicaria R$ 12 milhões via RP-9, como também é conhecido o instrumento. Na ocasião, o senador respondeu e admitiu que fez a indicação: “Houve da parte do (ex) presidente do Senado, Davi Alcolumbre, uma pergunta a nós da bancada do PT se nós tínhamos interesse de ter algum tipo de emenda além das parlamentares, aquelas impositivas. E nós dissemos que aceitávamos”, justificou na ocasião.

“Mesmo com essa única indicação feita em 2020, nada, nem um único centavo, foi liberado para as obras listadas. De lá para cá, não houve qualquer outra indicação por parte do senador Humberto”, informou a assessoria do senador em nota.

Autor de indicações que somam cerca de R$ 6,5 milhões em emendas do relator, Mario Heringer também tuítou críticas ao orçamento secreto: “Essa ‘emenda de relator’ no orçamento tá me deixando muito chateado. Alguém pode imaginar que UMA PESSOA(deputado ou senador) possa ter a discricionaridade (sic) para alocar mais de 30 bilhões de reais onde bem entender?”, escreveu, em março de 2021. “Esse dinheiro faria um bem enorme ao Brasil no AUXÍLIO EMERGENCIAL ou COMPRANDO VACINAS”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos