Sensor inteligente que detecta alagamentos é instalado no Itanhangá

Gilberto Porcidonio
·2 minuto de leitura

Para se livrar das inundações de proporções "bíblicas" que assolam os verões da cidade desde tempos imemoriais, a Prefeitura, por meio do Centro de Operações Rio (COR), resolveu investir em novas tecnologias. Neste mês, foi instalado no Itanhangá, Zona Oeste do Rio, o Noah Flood. O sensor inteligente que foi batizado com o nome do personagem bíblico Noé (Noah, em inglês) — o que faz alusão direta aos dilúvios — já está conectado com a operação do COR e foi instalado na Estrada do Itanhangá, próximo do Golf Clube, o local do Rio que encabeça a primeira posição na lista dos pontos mais sujeitos a alagamentos. De acordo com o Sistema Alerta Rio, a região foi a que mais recebeu chuva em um período de 24h na cidade (335,2mm) em abril de 2019.

Assim que o aparelho, que fica em poste a um metro e meio de distância do meio-fio, avisa sobre a elevação da água, o COR aciona as equipes da Guarda Municipal e da CET-Rio, além das subprefeituras — no caso, Zona Sul e Barra — para interditar o acesso à via antes que o nível da água chegue a proporções perigosas. A medida é para evitar que veículos tentem passar pela via alagada e monitorar o escoamento da água, oque agiliza também a liberação da via.

Com uma rede de sensores que mede a altura da água na superfície assim que a chuva começa, o sistema é acionado automaticamente e, em seguida, dispara sinais a cada dois minutos com os níveis de altura da água. Além disso, dependendo da configuração que for selecionada, é possível também monitorar a quantidade de chuva (pluviômetro); a temperatura, umidade e pressão daquela área; a velocidade do vento, a velocidade de escoamento e até mesmo se há corrente elétrica na água naquele instante.

A startup Noah Smart City, que venceu, em 2018, o programa de aceleração do COR em parceria com a IplanRio e a Secretaria Municipal de Fazenda, informou que, neste momento, está em busca de investimento para escalar a produção e a instalação de outros equipamentos do tipo na cidade. Conforme prevê o termo de cooperação assinado entre a prefeitura do Rio e a empresa, o COR terá acesso aos dados para poder trabalhar em dias de chuva.

A primeira vez que o sistema foi instalado na cidade foi em 2019, no Catete, Zona Sul da cidade. Chefe-executivo do COR, Bruno Ramos defende que as soluções inovadoras para minimizar o impacto das chuvas no Rio sejam mais utilizadas:

— Velocidade na informação é um fator que pode salvar vidas e evitar maiores prejuízos em dias chuvosos.