Separadas pela guerra, irmãs russas se reencontram após 78 anos

(Reprodução de vídeo) Yulia e Rozalina se separaram durante a Segunda Guerra Mundial, e agora, graças a um programa de TV e à polícia russa, puderam se reencontrar

Duas irmãs russas se reencontraram no fim de janeiro, 78 anos depois de sua separação, ocorrida em plena Segunda Guerra Mundial, graças à ajuda de um programa de TV e da polícia russa.

Quando voltaram a se ver, Yulia e Rozalina Kharitonova, de 92 e 94 anos, respectivamente, uniram-se em um forte abraço, cercadas de familiares que não conseguiam conter as lágrimas, conforme imagens divulgadas nesta sexta-feira pelo Ministério russo do Interior.

"Eu a procurei, sempre a procurei", repetia Rozalina, dando a mão à irmã.

Quando eram adolescentes viviam com seus pais na então Stalingrado, onde se deu a grande batalha de mesmo nome. Foram separadas em 1942, durante a evacuação da cidade à mercê dos bombardeios nazistas.

Nascida em 1928, Yulia Kharitonova foi evacuada com a mãe e se instalou em Penza, enquanto Rozalina, nascida em 1926, foi reencontrada 1.000 quilômetros mais ao leste, em Cheliabinsk, nos Urais, com os funcionários da fábrica em que trabalhava.

"Separadas pela guerra durante sua juventude, não perderam a esperança de voltar a se ver durante 78 longos anos", afirmou a porta-voz da polícia russa, Irina Volk, em um comunicado.

Segundo ela, as duas se reencontraram em janeiro, em Cheliabinsk, depois que a filha de Yulia pediu ajuda às forças de segurança.

Rozalina já havia tentado achar sua irmã, sem sucesso, em um programa da televisão russa especializado em encontrar familiares desaparecidos.

Ao descobrir o testemunho de Rozalina na página do programa, a polícia russa entrou em contato com ambas as irmãs e organizou o reencontro.

Em 9 de maio próximo, a Rússia celebrará os 75 anos da vitória dos aliados sobre os nazistas. A União Soviética pagou um preço especialmente alto naquele conflito, com cerca de 27 milhões de mortos, segundo números oficiais russos.

A Batalha de Stalingrado - hoje Volgogrado - foi emblemática, com mais de 1,1 milhão de mortos no lado soviético, e 1,5 milhão de mortos, no alemão, segundo Moscou. A derrota dos nazistas nessa cidade, em fevereiro de 1943, após seis meses e meio de combates, é considerada um marco importante na guerra que levou à queda de Hitler.