Mais de 300 estudantes nigerianos são libertados após sequestro

·3 minuto de leitura

Ao menos 344 estudantes cujo sequestro foi reivindicado pelo grupo Boko Haram foram libertados pelos jihadistas no noroeste da Nigéria, informaram nesta quinta-feira autoridades do estado de Katsina.

"Temos 344 deles nas mãos das forças de segurança e serão transferidos para Katsina esta noite", declarou o governador do estado, Aminu Masari. "Receberão atendimento médico antes de serem devolvidos a suas famílias." Um pouco antes, um conselheiro do presidente Muhammadu Buhari havia anunciado a libertação dos alunos, embora sem citar o número exato.

Centenas de estudantes menores de idade foram sequestrados na sexta-feira passada por homens armados nesta região da Nigéria. As vítimas foram levadas quando estavam no liceu para crianças de Kankara, em um ataque reivindicado pelo grupo jihadista Boko Haram, que costuma agir na região nordeste do país.

"Ninguém pode dar o número exato", declaro à AFP uma fonte de segurança. Os estudantes libertados estão na cidade de Tsafe, estado de Zamfara, e na localidade de Yankara, estado de Katsina. "Teremos o número preciso quando chegarem e for feita uma recontagem em Katsina", completou a mesma fonte.

Nesta quinta-feira, os jihadistas do Boko Haram divulgaram um vídeo dos estudantes sequestrados. Com o rosto coberto de poeira e arranhões, um jovem afirma que é um 520 sequestrados pelo "grupo de Shekau", assim chamado em referência ao líder histórico do Boko Haram. O número de reféns permanece incerto. Inicialmente, autoridades relataram 333 alunos desaparecidos. Esta manhã, falaram em 400.

No vídeo, o Boko Haram afirma, na voz do jovem, que há 520 pessoas em seu poder e que algumas delas foram assassinadas. As imagens, divulgadas pelos canais tradicionais do grupo, foram gravadas parte em inglês e parte na língua hausa, falada principalmente no norte da Nigéria.

Um homem, que se apresenta como Abubakar Shekau, emite uma mensagem de voz em que afirma: "Esses são meus homens e são vossos filhos." O sequestro em massa foi coordenado pelo chefe do grupo Awwalun Daudawa, em colaboração com outros dois bandidos, Idi Minoriti e Dankarami, líderes de grupos armados que aterrorizam a população no norte da Nigéria, realizando sequestros extorsivos e roubos de gado.

Segundo depoimentos de jovens que conseguiram escapar, os reféns foram divididos em vários grupos na noite do sequestro. Uma fonte da segurança confirmou que os jovens que aparecem no vídeo são os sequestrados por Awwalun Daudawa, que responde diretamente ao Boko Haram. Os demais podem ser libertados após negociações entre os sequestradores e o governo local.

Este ataque, que revive o fantasma do sequestro de mais de 200 meninas em Chibok, em 2014, é um golpe para o presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, originário do estado de Katsina, onde comemorou nesta quinta-feira seus 78 anos.

A Presidência emitiu um comunicado no sábado condenando o ataque contra "meninos inocentes" e prometeu reforçar a segurança nas escolas, fechadas em vários estados do norte devido à insegurança.

O Boko Haram e seu braço dissidente, o grupo Estado Islâmico na África Ocidental (Iswap), ativos no nordeste da Nigéria, causaram mais de 36.000 mortes em 10 anos de conflito e 2 milhões de pessoas continuam sem poder retornar para suas casas.

abu-str-spb/mab/mb/aa/mvv/lb