Sequestro de estudantes na Nigéria foi encomenda do Boko Haram

Aminu ABUBAKAR
·2 minuto de leitura
Entrada de Kankara, onde os estudantes foram sequestrados pelo grupo jihadista Boko Haram, na Nigéria

Os autores do sequestro de centenas de estudantes de ensino médio na Nigéria, na última sexta-feira (11), foram criminosos contratados pelo grupo jihadista Boko Haram - disseram diferentes fontes à AFP.

Segundo as autoridades, 333 adolescentes continuam desaparecidos desde o ataque ao internato em Kankara, no noroeste do país. Os moradores afirmam, no entanto, que mais de 500 adolescentes estão nas mãos de seus sequestradores.

Na terça-feira, o chefe do Boko Haram, Abubakar Shekau, reivindicou a autoria do sequestro, que ocorreu a centenas de quilômetros da área onde o grupo extremista opera.

Este anúncio foi interpretado como prova da expansão territorial do grupo.

O sequestro teria sido coordenado por três bandidos: Awwalun Daudawa, Idi Minoriti e Dankarami, informaram fontes de segurança à AFP.

"De acordo com as informações disponíveis, Abubakar Shekau ordenou a Awwalun Daudawa sequestrar os estudantes. Este pediu ajuda a Idi Minorti e a Dankarami", relatou a mesma fonte, que conhece as gangues criminosas que operam na região.

Há quase dez anos, o noroeste e o centro da Nigéria são vítimas da violência de grupos criminosos, que multiplicam os sequestros para obter resgates e roubam o gado.

Nos últimos anos, porém, alianças foram estabelecidas entre esses homens armados do noroeste e grupos jihadistas do nordeste, entre eles o Boko Haram.

Awwalun Daudawa, de 43 anos, era originalmente um ladrão de gado que se tornou traficante de armas, segundo uma fonte de segurança. Ele comprava armas na Líbia e as vendia no norte da Nigéria para grupos criminosos, ou jihadistas.

- Sequestro das estudantes em 2014 -

Este sequestro reacendeu a lembrança do sequestro de Chibok em 2014, quando 276 meninas foram levadas pelo Boko Haram. À época, houve uma grande reação internacional nas redes sociais, através da hashtag BringBackOurGirls (Devolvam nossas meninas, em tradução livre).

"O sequestro de Kankara é diferente do das estudantes de Chibok, que estavam diretamente sob a custódia do Boko Haram", explica uma das fontes de segurança.

O governador do estado de Katsina, Aminu Bello Masari, disse na segunda-feira à noite que os sequestradores "entraram em contato com o governo".

Os adolescentes sequestrados foram levados para o estado vizinho de Zamfara e separados em vários grupos, segundo depoimentos dos que conseguiram fugir.

Fontes de segurança disseram que existe um pacto de não-agressão entre os grupos criminosos e o governo do estado de Zamfara. Este acordo pode explicar a libertação de 17 estudantes na noite de segunda-feira por um dos grupos.

O governo federal não se expressou desde a reivindicação do Boko Haram na terça-feira.

As críticas se dirigem contra a Presidência e o Exército, já que o presidente Muhammadu Buhari foi eleito em 2015 com a promessa de acabar com a insurgência jihadista.

abu-cma/spb/mab/mb/aa/tt