Seremos obrigados a adotar 'lockdown' se isolamento não aumentar, diz Doria

JOÃO GABRIEL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a falar, nesta quarta-feira (20), em possível adoção do "lockdown" no estado para conter o avanço do novo coronavírus.

O número de novos casos de coronavírus já cresce mais rapidamente em todas as regiões do estado de São Paulo do que na região metropolitana da capital, segundo o governo do estado.

Segundo Doria, a ampliação do megaferiado, que deve se estender até segunda-feira (25), é mais uma tentativa de evitar a “medida extrema”, que não está descartado caso os índices de isolamento piorem ainda mais.

"Se nós não tivermos solidariedade, os índices crescerem ainda mais, e colocarmos em risco a vida das pessoas, seremos obrigados a adotar o 'lockdown'”, afirmou. “Vamos fazer um esforço nesses seis dias, de hoje até segunda-feira, na capital, na região metropolitana, no interior e no litoral, para evitar medidas mais duras e mais restritivas”, disse o governador.

Na última segunda-feira (18), o índice de isolamento no estado, segundo o monitoramento do governo, era de 49%.

Doria disse que o protocolo de "lockdown" já está inclusive pronto, mas que prefere acreditar que as pessoas respeitarão as medidas de isolamento social e utilizarão o feriado para ficar em casa, não para fazer viagens de lazer.

O megaferiado decretado no município de São Paulo que começou valer nesta quarta-feira (20) deverá ser ampliado até a próxima segunda-feira (25). Para isso, após antecipar os feriados de Corpus Christi e Dia da Consciência Negra, também será antecipado o feriado de 9 de Julho.

Doria afirmou que a medida já está na Assembleia Legislativa para votação e que deve ser aprovada.

Segundo o secretário do Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, 74% dos municípios do estado já registraram casos da Covid-19, o que inclui todos aqueles com pelo menos 15 mil habitantes.

Segundo os números divulgados pelo governo, no mês de abril, o número de casos da Covid-19 degistrado no interior e no litoral de São Paulo cresceu 3.302% (de 129 para 4.389), enquanto a região metropolitana de São Paulo apresentou 770% de aumento, um valor quatro vezes menor.

Em maio, a tendência segue, sendo a região metropolitana a que tem menor taxa de crescimnto dos casos, 108% até o dia 18. Presidente Prudente, por exemplo, apresenta índice de 379% no mesmo período e a baixada santista, 156%.

A Grande São Paulo, no entanto, ainda concentra a esmagadora maioria dos casos no estado, que é o epicentro do coronavírus no Brasil. Haviam sido mais de 50 mil também até o dia 18.

Como resposta ao megaferiado, o estado e as prefeituras de São Paulo adotaram medidas para restringir o deslocamento de pessoas para o interior e sobretudo para o litoral.

Na manhã desta quarta, Santos, por exemplo, registrou congestionamento na entrada da cidade.

O secretário de transportes e logísticas, João Otaviano, disse que, com as medidas de bloqueio sanitário adotadas em conjunto com diversas prefeituras do estado, o movimento nas estradas, tanto para o interior quanto para o litoral, está dentro do previsto.

“As rodovias não apresentam volume maior que o esperado, o que demonstra que as pessoas estão entendendo o que significa este feriado”, afirmou.

De acordo com a Ecovias, o congestionamento no caminho de Santos foi reflexo da triagem de veículos na entrada do município, que vem sendo realizada desde 22 de março nos feriados.

Assim como outras cidades da Baixada Santista e litoral, o município realiza uma barreira no acesso ao município para evitar a entrada de turistas durante a pandemia.

Segundo a prefeitura, na manhã desta quarta foram abordados 102 veículos nos bloqueios da cidade, sendo que dois tiveram que retornar aos seus municípios de origem.