Sergio Moro deixa governo após Bolsonaro exonerar diretor da Polícia Federal

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

Sergio Moro não é mais o Ministro da Justiça e Segurança Pública. O ex-juiz federal confirmou, na manhã desta sexta-feira (24), que deixa o cargo no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). A saída acontece depois do presidente exonerar Mauricio Valeixo, diretor-geral da Polícia Federal e aliado de Moro desde os tempos da Operação Lava-Jato.

"O grande problema é por que trocar e permitir que seja feita interferência política ano âmbito da PF. O presidente me disse que queria colocar uma pessoa dele, que ele pudesse colher informações, relatórios de inteligência. Realmente, não é papel da PF prestar esse tipo de informação", disse o agora ex-ministro.

Nesta quinta-feira, Moro teria dito a Bolsonaro que deixaria o cargo caso o presidente resolvesse interferir na Polícia Federal e na permanência de Valeixo. Nas primeiras horas dessa sexta, no entanto, a exoneração foi confirmada no Diário Oficial da União.

Leia também

A saída de Moro gera uma grande crise política e acontece poucos dias depois da demissão de Luiz Henrique Mandetta, agora ex-ministro da Saúde, depois de diversos atritos com o presidente em relação a medidas de combate ao novo coronavírus.

O que você achou da saída de Sergio Moro? Clique aqui e deixe seu comentário

Após diversos desgastes, Valeixo negociava uma saída pacífica do cargo para meados de junho, mas a antecipação da demissão surpreendeu aliados. Agora, o presidente quer indicar um nome de sua confiança ao comando da PF.

Desde que assumiu o cargo, Bolsonaro ensaiou em mais de uma oportunidade mudar o comando da PF, minando a influência de Sergio Moro sobre a cúpula da corporação. Tentativas de ingerência se deram com a abertura e o avanço de investigações contra pessoas do entorno do presidente.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O incômodo de Bolsonaro aumentou recentemente por causa de inquéritos que apuram um suposto esquema de fake news para atacar autoridades em redes sociais, entre elas alguns adversários, e atos pró-golpe militar promovidas por grupos bolsonaristas, no último domingo (19), o presidente foi a um deles.

"Falei para o presidente que seria uma interferência política. Ele disse que seria mesmo", revelou Moro que garantiu não ter assinado a exoneração de Valeixo.

Trajetória de Moro no governo

Moro largou a carreira de juiz federal com a promessa de que teria autonomia total na pasta, mas vem colecionando derrotas desde que entrou no governo - como a aprovação de um pacote anticrime diferente daquele que ele tinha idealizado (incluindo a figura do juiz de garantias) e a troca do diretor da PF no Rio de Janeiro.

Em janeiro deste ano, Bolsonaro já havia tensionado sua relação com Moro diante de uma possibilidade de esvaziar o Ministério da Justiça. Na ocasião, antes de embarcar em uma viagem à Índia, o presidente disse que poderia recriar o Ministério da Segurança Pública, tirando-a do comando de Moro.

Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2019, o ex-juiz da Lava Jato já viu seu poder ser reduzido quando perdeu o antigo Coaf, rebatizado de UIF e subordinado atualmente ao Banco Central.

Moro também se mostrou insatisfeito em relação ao modo como o Planalto vem conduzindo a crise do coronavírus, sobretudo depois da demissão de Luiz Henrique Mandetta. Moro elogiou publicamente a atuação de Mandetta, o que foi visto como uma crítica indireta a Bolsonaro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos