A pedido de Moro, Lula depõe sobre suposto crime contra honra de Bolsonaro

Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images

Luiz Inácio Lula da Silva depôs em Brasília, nesta quarta-feira (19), como investigado em um inquérito para apurar se o petista violou a Lei de Segurança Nacional. O inquérito, sob responsabilidade da Polícia Federal, foi aberto após solicitação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A investigação consiste em uma representação por crime contra a honra do presidente Jair Bolsonaro. O suposto delito cometido pelo ex-presidente teria ocorrido um dia após sua saída da prisão na sede da Polícia Federal de Curitiba, onde ficou 580 dias.

Leia também

Discursando no Sindicado dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, ex-presidente afirmou que Bolsonaro “governava para milicianos”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

“Tem gente que fala que tem de derrubar o Bolsonaro. Tem gente que fala em impeachment. Veja, o cidadão foi eleito. Democraticamente, aceitamos o resultado da eleição. Esse cara tem um mandato de quatro anos. Mas ele foi eleito para governar para o povo brasileiro, e não para governar para os milicianos do Rio de Janeiro”.

A presidente nacional do PT Gleisi Hoffmann (PT-PR) usou uma rede social para se manifestar sobre o depoimento prestado por Lula. A deputada federal chamou o caso de “inacreditável". Ela e o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) acompanharam o ex-presidente no depoimento.

Lula ainda prestará outro depoimento nesta quarta-feira, desta vez na Justiça Federal de Brasília, em razão de uma ação penal em que é réu, no âmbito da Operação Zelotes.