Serial killer 'vampiro' de crianças foge da prisão e acaba linchado e morto por multidão no Quênia

·1 min de leitura
  • Autoridades quenianas buscavam homem há dias após fuga da prisão

  • Ele era acusado de beber sangue de algumas vítimas

  • As investigações apontaram que o homem fingia ser um técnico de futebol para atrair as vítimas e depois as atacava

As autoridades do Quênia estavam mobilizadas há dois dias nas buscas por Masten Wanjala, um serial killer confesso que fugiu da prisão onde era mantido desde julho. A operação teve fim nesta sexta-feira, após a polícia informar que o criminoso foi morto por uma multidão no vilarejo de Mukhweya, na cidade de Bungoma. Wanjala é descrito pelas autoridades como um "vampiro sanguinário", por ser acusado de beber o sangue de algumas de suas vítimas.

Conforme a polícia, após fugir, o criminoso voltou para a área rural onde viveu com os pais, que não o receberam. Ele teria se instalado em um casa na região e acabou morto quando vizinhos descobriram que estava no local.

Leia também:

As investigações apontaram que o homem fingia ser um técnico de futebol para atrair as vítimas e depois as atacava. Em alguns casos, manteve as crianças como reféns e chegou a exigir dinheiro pelo resgate. O assassino também confessou que drogava as vítimas e chegou a ingerir o sangue delas.

O comandante da polícia Musyoki Mutungi disse ao jornal Standard que ainda não se sabe como o Wanjala viajou sozinho da capital, Nairóbi, até o vilarejo.

— Não temos certeza de como ele conseguiu viajar de Nairóbi até sua região de origem mas foram os moradores que primeiro o identificaram, antes mesmo que a polícia pudesse ser informada — disse.

Após a fuga, três policiais que estavam de plantão foram acusados de auxiliar o criminoso. A polícia disse ter notado que ele havia desaparecido durante uma chamada realizada toda manhã.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos