Além de 'Dark': 7 séries enigmáticas que vão 'bugar' a sua cabeça

Rafael Argemon
·5 minuto de leitura

Mesmo depois do fim de sua terceira e última temporada, a série alemã Dark continua reverberando seus mistérios na internet, onde fãs e nerds em geral ainda estão discutindo algumas explicações dadas na trama e criando novas teorias com o que ficou no ar.

Inspirados nesse amor pelo mistério (e no desejo quase incontrolável de decifrá-lo), selecionamos outras séries enigmáticas que também vão “bugar” a sua cabeça.

Veja aqui a nossa lista:

Twin Peaks

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

Twin Peaks é um marco na história das séries. É a primeira a trazer episódios que não contam histórias fechadas, mas pedaços que servem para construir uma trama maior. E isso em 1990! Um formato que foi se transformar no padrão só na década seguinte. A trama, recheada com as esquisitices de David Lynch, que escreveu a série junto com Mark Frost, traz um mistério central: quem matou a jovem Laura Palmer (Sheryl Lee), que apareceu morta à beira de um lago na pequena Twin Peaks?

Com o inesperado sucesso da primeira temporada, a Rede CBS esticou além da conta a segunda, para o desgosto de Lynch, que deixou o projeto inacabado. Mas em 2017, o cineasta voltou ao universo de Twin Peaks com um terceira e última temporada produzida pela Netflix, que consegue ser melhor e ainda mais maluca que suas antecessoras.

Onde ver: As duas primeiras temporadas não estão disponíveis em streaming no Brasil, mas a terceira, de 2017, você pode assistir na Netflix.

O Prisioneiro

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

Desconhecida por muitos, a britânica O Prisioneiro não durou muito. Tem apenas 17 episódios, entre 1967 e 1968, mas com o tempo se tornou um grande cult da TV que muitos anos depois seria apontada pelo cineasta J.J. Abrams como sua principal influência na criação de Lost.

Surrealista do começo ao fim, a série conta a história de um agente secreto britânico que, ao se aposentar, é sequestrado e mandado para uma ilha isolada em que há uma vila orwelliana onde o nome de todos é substituído por um número e ninguém sabe quem está realmente no comando.

Onde ver: Não está disponível em streaming no Brasil, mas você pode assistir todos os 17 episódios no YouTube, e com legendas em português.

Boneca Russa

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

À primeira vista, Boneca Russa não parece lá uma grande novidade. Sua premissa é bem simples e utiliza o batido recurso do paradoxo temporal para contar uma história de redenção, mesmo recurso usado por inúmeros filmes, como Feitiço do Tempo, Efeito Borboleta ou No Limite do Amanhã, por exemplo. Mas ela é bem mais do que isso.

A protagonista é Nadia Vulvokov (Natasha Lyonne), que comemora seus 36 anos em uma festa dada no descolado apartamento de uma amiga. Ao sair da festa para procurar seu gato perdido nas imediações, acaba morrendo atropelada. A morte, porém, não é o fim para ela, que “acorda” no mesmo banheiro do apartamento onde acontece seu aniversário.

Onde ver: Netflix.

Lost

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

É verdade que Lost é odiada por muita gente (e com razão) por conta de sua conclusão decepcionante, mas não há como negar que foi uma das séries mais importantes e influentes da primeira década dos anos 2000 e que sua primeira e segunda temporadas são absolutamente incríveis.

Todo esse mundo paralelo de teorias inundando fóruns na internet começou exatamente aqui, quando as muitas questões levantadas pela série, como o que exatamente estava acontecendo com os sobreviventes do voo 815, literalmente paravam o mundo. O grande pecado de seus criadores foi empilhar um mistério em cima do outro dando a indicação que iria explicá-los, deixando tudo para a confusa última temporada, quando Lost já se arrastava.

Onde ver: Claro Vídeo.

The Leftovers

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

Um dos principais roteiristas de Lost, Damon Lindelof aprendeu com os erros de seu trabalho anterior. Em The Leftovers, ao invés de prometer explicar as coisas, ele simplesmente deixou o público tirar suas próprias conclusões sobre sua trama carregada de símbolos religiosos.

A série se passa alguns anos depois de um evento que ficou conhecido como ‘partida repentina’, onde 2% da população mundial simplesmente desapareceu. Seria o tal arrebatamento? Enquanto a primeira temporada foca bastante nesse evento e em como as pessoas lidaram com ele, as duas outras seguem mais a história dos protagonistas, o policial Kevin (Justin Theroux), a dona de casa Nora (Carrie Coon), que perdeu seu marido e filhos na partida repentina, e o jornalista Matt (Christopher Eccleston).

Onde ver: HBO GO.

The OA

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

Projeto de uma vida do casal Brit Marling e Zal Batmanglij, a inclassificável The OA estreou perto do Natal de 2016 como uma bomba. Sua trama estranhamente fascinante chamou a atenção de todo mundo na base da curiosidade. Nela, Prairie também chamado de OA, ou Anjo Original, é uma jovem que reaparece em sua cidade natal depois de quase uma década desaparecida. Nesse período sumida, ela foi sequestrada por um cientista para participar de um experimento envolvendo outras dimensões. De volta, ela se aproxima de um grupo de adolescentes e tenta ensinar a eles um tipo de dança multidimensional.

A história parece maluca? Então prepare-se para a 2ª (e, infelizmente, última) temporada, em que a fantasia se mescla com a realidade em uma narrativa recheada de metalinguagem. O problema é que ela demorou muito a acontecer. Apenas em fevereiro de 2019. E aí ninguém mais se lembrava de nada do que tinha acontecido, e a série caiu no limbo. Tanto que foi cancelada. Uma pena.

Onde ver: Netflix.

Mr. Robot

(Photo: Divulgação)
(Photo: Divulgação)

Por conta do imenso espaço de dois anos entre a 3ª e esta 4ª (e última) temporada, muita gente pode ter perdido o interesse por Mr Robot, uma série que ganhou vários prêmios quando estreou, em 2015, mas que devido a uma 2ª temporada hermética, foi caindo no esquecimento. Uma pena, porque a inventividade de seu criador, Sam Esmail, continua a toda.

Nesta última temporada, então, seu apuro estético e sua inquietação narrativa são levados a extremos incríveis. Há um episódio de Natal bizarro, um em que praticamente não há falas e outro que é todo pensado como uma peça de teatro. Rami Malek continua incrível como o hacker atormentado Elliot Alderson, e muitos dos mistérios que a série carregou por temporadas são revelados. Por favor, não desista de Mr Robot.

Onde ver: Amazon Prime Video.

Leia mais:

5 filmes sobre viagem no tempo que você (provavelmente) ainda não viu

Os melhores filmes e séries para ver no streaming em julho de 2020

9 filmes para assistir nesta quarentena, segundo Vera Fischer

Este artigo apareceu originalmente no HuffPost e foi atualizado.